[IMUNIZADO] Líder da Universal, Bispo Edir Macedo toma vacina nos EUA

A vacina tomada pelo líder religioso e sua esposa é aplicada em dose única

Edir Macedo sendo vacinado. Foto: Reprodução.

O líder religioso neopentecostal, bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus e proprietário da Record TV, tomou nesta quinta-feira (18) o imunizante da Johnson & Johnson contra a Covid-19, em Miami, nos Estados Unidos da América.

O bispo, que tem 76 anos de idade, foi vacinado junto de sua esposa, Dona Ester. O imunizante aplicado no casal é administrado em dose única.

Edir Macedo, é um dos grandes apoiadores do Presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas diferente do governante, que geralmente não incentiva o uso da vacina, o religioso postou o momento de sua vacinação nas redes sociais, como prova aos seus seguidores de que tomou a imunizante contra o novo coronavírus.

“Conforme prometido aí vão as provas da nossa vacinação contra o covid”, escreveu.

Veja o vídeo direto do Instagram do líder da IURD

Redação Gabinete Paraíba

Executiva Nacional do Cidadania divulga nota contra impeachment de Ministro do STF

A nota diz que o partido não pode ser aliado objetivo do reacionarismo

Jorge Kajuru (Cidadania) e Alexandre de Moraes. Foto: Reprodução.

Nesta quinta-feira (18), Roberto Freire e a Direção Executiva Nacional do Cidadania manifestaram-se através de uma nota, na qual desaprova pedido inédito de impeachment contra o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

O documento foi publicado após o Senador Jorge Kajuru (Cidadania) junto ao jornalista Caio Copolla terem movido, na última segunda (15) um abaixo-assinado com 2,5 milhões de assinaturas, pedindo o impeachment do Ministro do Supremo.

Na segunda, Kajuru concedeu entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan, onde contou sobre o processo movido contra Moraes.

“Eu entrei com o pedido sozinho e tive a sorte de 15 dias atrás ser procurado pelo Caio e ele me ascendeu, disse ‘Vamos botar fogo no Brasil’ e disse que meu pedido era muito bem embasado e me falou sobre o abaixo-assinado. Começamos hoje e já temos quase 2 milhões de assinaturas”, contou.

O Senador também contou a sua motivação em ter movido tal processo, que segundo ele, foram os erros sucessivos do Ministro.

“Desde o momento dele como secretário de segurança pública em São Paulo já era motivo de CPI. Depois ele virou ministro da justiça do Michel Temer, ali o governo Temer era um caldeirão de corrupção. De repente esse homem chega ao STF e foi cometendo erro um atrás do outro, especialmente o da arrogância que é um preço lamentável. Arrogância para mim é o maior defeito de uma pessoa. A pessoa não pode achar que é mais importante que o cargo. Os erros dele foram claros, factuais e foi fácil fazer o embasamento juridicamente para pedir o impeachment dele. A população brasileira pode provocar o primeiro impeachment da história do Brasil [no STF]”, declarou.

A atitude do parlamentar não foi vista com bons olhos pela executiva nacional de seu partido.

De acordo com o posicionamento do Partido, “atacar o STF é se alinhar às forças reacionárias e obscurantistas que atentam contra as instituições republicanas e contra a própria democracia”, o que não condiz com a atuação do Cidadania, diz a nota.

Veja a Nota do Cidadania na Íntegra

O Cidadania é um partido plural.

Esta diversidade estrutural se apoia em princípios democráticos consistentes e no respeito às consciências individuais, que têm o direito de se expressar com liberdade, no limite da lei.

Defender o direito de alguém propor algo, porém, não significa concordar com o que é proposto.

Por isso, a Executiva Nacional do Cidadania informa que desautoriza, neste momento, qualquer ação em nome do partido que proponha o impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda mais do ministro Alexandre de Moraes, que atua de forma firme contra os extremistas produtores e divulgadores de fake news para destruir reputações de pessoas e instituições.

A mobilização pelo impedimento do ministro Alexandre de Moraes, portanto, não é uma ação partidária. Não condiz com a atuação política do Cidadania na atual conjuntura, em que crises superpostas se somam à ineficiência e à falta de empatia do governo Bolsonaro para desestabilizar o país.

Na avaliação desta Executiva Nacional, atacar o STF é se alinhar às forças reacionárias e obscurantistas que atentam contra as instituições republicanas e contra a própria democracia.

Roberto Freire,
Executiva Nacional do Cidadania

Redação Gabinete Paraíba

General Santos Cruz desmente possível aliança com o PT para as eleições presidenciais

General Santos Cruz. Foto: Reprodução.

O General Carlos Alberto dos Santos Cruz negou veementemente uma aliança com o ex-presidente Lula na eleição presidencial de 2022.

Em nota, o ex-ministro da Secretaria de Governo afirmou que uma composição política desse nível é ‘impossível’ e que “o Brasil não merece ter que optar entre dois extremos já conhecidos, viciados e desgastados”.

Santos Cruz é entusiasta de uma candidatura que apresente um projeto nacional e que fique longe da polarização política entre Bolsonaro e PT. Para ele, o país precisa de um presidente que “governe para todos e não apenas para os seus seguidores mais próximos”.

“Sou um cidadão de direita (apesar de considerar as simplificações “direita e esquerda” limitadas e antiquadas). Considero o diálogo essencial e repudio o extremismo ideológico, a corrupção, o fanatismo político, o populismo e a demagogia”, comentou.

O militar também aproveitou a ocasião para criticar a atuação do presidente Jair Bolsonaro frente à pandemia.

“É inaceitável que a pandemia tenha sido conduzida sem liderança, sem com falta de considerações técnicas, com constantes tentativas de desmoralização dos procedimentos apropriados, politização completa de todo o processo e até de medicamentos, e a consequente falta de vacinas, necessárias para salvar vidas e possibilitar o retorno das atividades econômicas”

Leia a nota do ex-Ministro na íntegra

O Jornal O Estado de S. Paulo publicou, na edição de ontem (17.3.2021), a informação de que a direção do PT ventilou meu nome em um possível convite para compor uma chapa à Presidência da República com o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, dentro de um movimento de aproximação com os militares. A respeito desse assunto, venho a público esclarecer a minha posição.

1. Jamais recebi qualquer comunicação sobre o assunto em foco e não sou filiado a nenhum partido político. Também, por diversas outras razões, não é possível tal composição.


2. Sou um cidadão de direita (apesar de considerar as simplificações “direita e esquerda” limitadas e antiquadas). Considero o diálogo essencial e repudio o extremismo ideológico, a corrupção, o fanatismo político, o populismo e a demagogia. Tenho sido claro em dizer que o Brasil não merece ter que optar entre dois extremos já conhecidos, viciados e desgastados. Ambos os extremos do nosso espectro político são exatamente iguais na prática e não servem para o Brasil.

3. Neste momento, sou a favor de um governo que promova a paz e a união nacional, que governe para todos e não apenas para os seus seguidores mais próximos. A sociedade não pode viver em estado permanente de campanha política, dividida em amigos e inimigos, intoxicada e manipulada por extremistas. As instituições precisam ser independentes e o aparelhamento das mesmas é inaceitável. O Brasil precisa voltar ao equilíbrio, à normalidade.

4. Minhas manifestações públicas têm os objetivos de alertar para o perigo do fanatismo político que gera violência e para as tentativas absurdas de arrastar o Exército, onde servi por cerca de 47 anos, para o dia-a-dia da política partidária e utilizá-lo como instrumento na disputa de poder.

5. Sou crítico do governo por causa da influência de fanáticos extremistas, falta de comportamento adequado, afastamento das promessas que o levaram ao poder, postura populista, foco em reeleição, irresponsabilidade e polarização política.


6. É inaceitável que a pandemia tenha sido conduzida sem liderança, sem com falta de considerações técnicas, com constantes tentativas de desmoralização dos procedimentos apropriados, politização completa de todo o processo e até de medicamentos, e a consequente falta de vacinas, necessárias para salvar vidas e possibilitar o retorno das atividades econômicas. Houve perda de tempo com banalidades e estamos absurdamente atrasados.

7. Considero a Operação Lava Jato um marco na nossa história e na esperança de combate à corrupção. Essa operação e outras devem ter continuidade, incluindo o aperfeiçoamento dos mecanismos de transparência e controle de contas públicas.

8. A reforma do Estado deve contemplar a extinção de todos os privilégios, a começar pelo foro privilegiado.

9. Acredito numa diplomacia atuante, responsável e multilateral, colocando o Brasil na liderança mundial das questões de preservação da Amazônia e do meio-ambiente.

10. Considero a liberdade de opinião e de imprensa como fundamental para a democracia, que depende também do aperfeiçoamento permanente das instituições.

11. A descrença e o desprestígio no Executivo, no Legislativo e no Judiciário e em outras instituições precisam ser tratados com discussão de ideias e medidas que produzam os aperfeiçoamentos institucionais necessários.

12. Não creio em salvador da pátria e nem que exista necessidade de tal salvamento. Acredito no trabalho e na capacidade dos cidadãos.

13. Como eleitor, espero que as forças políticas e produtivas (empresários e cidadãos), construam alternativas que levem a um governo que traga de volta a paz, o respeito, a união, a recuperação da economia, reduza a nossa imoral desigualdade social e auxilie os mais vulneráveis.

14. Essas são as razões pelas quais não existe nenhuma possibilidade da minha participação nos dois extremos que considero nocivos ao Brasil.

Brasília, 18.3.2021

Carlos Alberto dos Santos Cruz

Fonte: O Cafezinho

[ELEIÇÕES 2022] Flávio Dino declara que só união da esquerda com o centro pode derrotar Bolsonaro

Na visão do Governador Maranhense, a esquerda precisa se unir ao centro para vencer Bolsonaro em 22.

Governador Flávio Dino (PCdoB).
Foto: Reprodução.

O Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), declarou novamente que a esquerda necessita se aliar ao centro, pra derrotar o Presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Reafirmo que esse movimento de ampliação, no sentido de falarmos para além da esquerda, é imperativo. Para vencer Bolsonaro é preciso que nós façamos isso. E não vejo o Lula como obstáculo. Em primeiro lugar, porque ele já fez isso em 2002, quando se elegeu presidente com o José Alencar de vice, um empresário liberal que representava um sindicato patronal. E, segundo, porque já mostrou estar disposto a construir um projeto de nação que olhe para o futuro mais do que para o passado”, afirmou o governador, em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo.

Na visão do gestor Comunista, os nomes do apresentador de TV, Luciano Huck (sem partido), do Governador João Dória (PSDB), do ex-Ministro da Saúde, Henrique Mandetta (DEM), dentre outros nomes, serão importantes numa eventual disputa da esquerda contra Bolsonaro, num possível segundo turno, das eleições. Ele avalia que a candidatura de Lula (PT) não inviabilizaria tais acordos.

O Governador também disse que Ciro Gomes é um possível nome que também estaria nessa aliança contra Bolsonaro, num possível apoio ao ex-Presidente Lula.

“Ciro já foi ministro de Lula, eu não fui. Não é possível que desse casamento só sobraram mágoas, tem que ter algum vestígio de amor ali”, comentou.

O único nome vetado por Flávio Dino é o do ex-Juiz e ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro (sem partido).

“Não tem ambiente para Moro na política. Ele é uma unanimidade negativa, não conheço mais de dez políticos que o apoiem para ser candidato. Nem sei se ele teria uma legenda para se lançar. Isso é o resultado do conjunto da obra” pontuou o Comunista.

Redação Gabinete Paraíba com informações do Jornal Estado de São Paulo

Novo Centro de Convenções de Campina Grande terá o nome do tribuno Vital do Rêgo

O novo Centro de Convenções e Campina Grande, a ser construído pelo Governo do Estado da Paraíba numa área localizada na BR 230, na entrada da cidade, próximo ao Garden Hotel, terá o nome tribuno e ex-deputado federal Vital do Rêgo. A lei com a indicação da homenagem, de autoria do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino, foi publicada na edição desta quinta-feira (18) do Diário Oficial do Estado.

Vital do Rêgo foi casado com a atual Senadora da República Nilda Gondim (MDB-PB), com quem teve três filhos: o atual Ministro do Tribunal de Contas da União – TCU, Vital do Rêgo Filho; o Senador e atual Vice-Presidente do Senado Federal, Veneziano Vital do Rêgo; e a Médica Pediatra Rachel Gondim Vital do Rêgo Freire.

O Centro de Convenções de Campina Grande está orçado em mais de R$ 100 milhões. O empreendimento terá 15 mil metros quadrados de área construída e será dotado de eficiência energética e hídrica, centro de eventos, foyer, salão de eventos, oficinas, administração geral de eventos, centro de feiras e exposições, área de negócios, auditório com capacidade para 1 mil pessoas e 1,2 mil vagas para estacionamento.

A obra será executada pelo Governo do Estado da Paraíba, através da Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado – Suplan. O Centro de Convenções de Campina Grande será construído na Alça Leste, no bairro do Mirante, às margens da BR 230, na entrada da cidade.

Emendas garantem a obra

Os senadores Veneziano Vital e Nilda Gondim, filho e viúva do homenageado, destinaram, de suas emendas pessoais ao Orçamento Geral da União – OGU 2021, R$ 7,5 milhões para a construção da obra. Os valores constam no Projeto de Lei Orçamentária Anual do 28/2020, Congresso Nacional.

No ano passado, Veneziano já havia empenhado, também para o Centro de Convenções de Campina Grande, R$ 23 milhões, entre suas emendas e recursos extra orçamentários, valor que, somado à destinação de outros parlamentares, garantiu o início das obras em sua primeira etapa. Agora, com a destinação destes R$ 7,5 milhões dos senadores Veneziano e Nilda, está garantida a continuidade da obra em sua segunda etapa.

“Esta obra, tenho absoluta certeza, será de extrema importância para o turismo e a economia de Campina Grande e da Paraíba, porque sabemos que o Centro de Convenções, da magnitude, da grandeza e da multiplicidade de atividades que poderá conter, trará benefícios para todo o estado. Então, parabéns, Campina, mais uma vez, por esta conquista”, destacou Veneziano.

“Estou muito honrada em ter a oportunidade de contribuir para esta grande obra, que será um marco importantíssimo para Campina, para o estado e para toda a região. O Centro de Convenções de Campina Grande representará um equipamento turístico e econômico de extrema relevância para o desenvolvimento da cidade”, salientou a senadora Nilda Gondim.

O Homenageado

Histórico – Vital do Rego foi um dos maiores políticos, tribunos e juristas do país. Nascido em 21 de Maio de 1935, era nacionalmente conhecido pela sua oratória envolvente e inconfundível, sendo, durante muitos anos, o principal nome do Tribunal do Júri paraibano, além de se destacar como professor de Direito Penal.

Foi presidente municipal do PMDB de Campina Grande, partido ao qual se filiou ainda em 2009. Teve vibrante trajetória política, na condição de deputado federal e estadual, além de ter disputado a Prefeitura Municipal de Campina Grande em duas ocasiões.

Em suas memoráveis campanhas políticas, sempre iniciava os seus discursos com uma frase que se tornou a sua marca e uma expressão célebre na História política paraibana: “Destemidos e valorosos companheiros de lutas e de vitórias!”. A frase era sempre usada porque quando abraçava uma causa, ia com ela até o seu final, arrastando multidões de admiradores que até hoje estão enlutados com o seu desaparecimento.

Vida Política – Vital do Rêgo foi deputado estadual de 1959 a 1963 pelo PSD; deputado federal de 1963 a 1967 pela UDN; e de 1967 a 1969 pela ARENA. Foi cassado pela ditadura militar, instalada no Brasil em 1964, tendo voltado a disputar um cargo eletivo só em 1982, em memorável disputa com Ronaldo Cunha Lima, pela prefeitura de Campina Grande. Também foi eleito deputado federal de 1991 a 1995, pelo PDT.

Na Câmara Federal, Vital foi Corregedor Geral, cargo que honrou com invulgar distinção. Seus discursos e posições no plenário e na Comissão de Constituição e Justiça ainda hoje recebem menções elogiosas.

Tradição Familiar – Vital do Rêgo era filho do Major Veneziano Vital do Rêgo (também político) e de Vicentina Figueiredo. Suas tradições políticas são claramente percebidas na própria trajetória do pai, pois o Major Veneziano desfrutou de grande sucesso político em Pernambuco, onde foi deputado estadual, por duas legislaturas, inclusive presidindo Assembleia Legislativa do vizinho Estado, de 1950 a 1958.

O grande tribuno também se destacou precocemente como líder estudantil, tendo demonstrando a sua vocação política em Pernambuco e na Paraíba. Em Campina Grande, foi um dos nomes de maior destaque do chamado Centro Estudantal Campinense, como Secretário de Cultura e outros cargos. Em 1958 concluiu o curso de Direito, na cidade do Recife, sendo, inclusive, o Orador das Turmas Concluintes.

O Major Veneziano sempre foi para o tribuno um modelo de vida. Um dos fatos marcantes desta relação é que o Major chegou a desistir de tentar o terceiro mandato de deputado estadual para acompanhar o filho, Vital do Rêgo, que se elegeu deputado estadual paraibano, em 1958. O major faleceu em 1969, aos 62 anos, levando Vital a cultivar um permanente luto – sempre usava roupas pretas – pelo desaparecimento do seu genitor e o incessante compromisso pela perpetuação da memória paterna.

A árvore genealógica do jurista Vital do Rêgo também contém outras figuras de peso da política paraibana. Da parte do sangue da sua mãe, dona Vicentina Figueiredo (autora do Hino do tradicional Colégio Estadual da Prata), se destacaram personalidades como Argemiro Figueiredo, que foi senador e governador, mas também derrotado em eleição para prefeito, em 1951, quando perdeu para Plínio Lemos (13.989 votos, contra 11.127). Bento Figueiredo, irmão de Argemiro, até foi prefeito de Campina Grande, durante alguns meses de 1935 e, depois, de 1938 a 1940, mas na condição de interventor, e não por via eleitoral.

O sogro de Vital do Rêgo, Pedro Moreno Gondim, pai da hoje senadora Nilda Gondim, governou a Paraíba de 1958 a 1966 e morreu em julho de 2005.

Outras Funções – Vital do Rego foi sócio fundador da Associação dos Advogados de Campina Grande, membro da Academia de Letras de Campina Grande, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Paraíba e do Núcleo de Estudos de Problemas Brasileiros, além de Presidente do Conselho da OAB, Seccional da Paraíba, de 1985 a 1991.

Também foi presidente da Comissão do Centenário de Campina Grande e ocupou cargo na direção do Campinense Clube. Foi reitor da antiga FURNe (hoje UEPB), tendo preconizado que a instituição se consagraria no futuro como o maior patrimônio educacional e cultural da Paraíba. Como advogado criminalista, fez júris em todo o Brasil. Uma das suas mais memoráveis lutas foi a desenvolvida em 1999, contra a privatização da antiga Celb, pois a iniciativa fez com que a cidade perdesse uma dos seus mais importantes patrimônios.

Assessoria de Imprensa
Senador Veneziano Vital do Rêgo – MDB/PB
Vice-Presidente do Senado Federal

[COVID-19] Governo da Paraíba amplia vagas para pacientes com Covid-19 no Hospital de Trauma

Foto: Reprodução.

O Governo da Paraíba abriu mais 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva – UTI – Covid-19, no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, onde já estão funcionando 25 leitos. A medida visa enfrentar e minimizar os efeitos da alta taxa de contaminação do coronavírus.

Segundo o diretor geral do hospital, Laecio Bragante, todas as áreas destinadas aos pacientes com Covid-19 estão localizadas numa área isolada do restante do hospital, com entrada e saída exclusiva para pacientes e funcionários. “Os atendimentos de urgência e emergência continuam acontecendo no Hospital de Trauma. É bom deixar claro que os pacientes com o novo coronavírus são regulados pela Secretaria de Saúde do Estado, não interferindo no funcionamento do complexo hospitalar, tendo em vista que a equipe multidisciplinar, bem como os leitos estão separados e isolados”, explicou.

O complexo hospitalar já registrou 30 altas médicas, dos leitos Covid-19 desde o início do funcionamento, no dia 23 de fevereiro. “Toda equipe está empenhada em prestar o melhor atendimento hospitalar possível. Ficamos felizes e realizados quando verificamos a melhora do nosso paciente e isso nos motiva a continuar tendo excelência em tudo que fazemos”, ressaltou.

Visitas – Mediante a suspensão de todas as visitas aos pacientes da unidade de saúde, por tempo indeterminado, seguindo a determinação do Governo do Estado, como parte da estratégia para evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19), as visitas continuam acontecendo por meio da televisitas, que acontecem com os médicos intensivistas e clínicos em horários previamente determinados e com chamadas de videoconferência, ou seja, chamada de vídeo a beira leito explicando o quadro geral do paciente.

Fonte: Governo da Paraíba

[EUA x Rússia] Biden diz que Putin é assassino e líder russo rebate: “É preciso ser um para reconhecer o outro”

Joe Biden e Vladimir Putin. Foto: Reprodução.

A troca de acusações entre os presidentes Joe Biden (Estados Unidos) e Vladimir Putin (Rússia), ganhou mais um capítulo na manhã desta quinta-feira, 18. Tudo começou ontem, 17, a partir de uma declaração de Biden, que disse ‘sim’ ao ser questionado se o governante russo era um assassino.  

Em pronunciamento transmitido pela televisão russa hoje, Putin ironizou a acusação e disse que “sempre observamos nos outros nossas próprias qualidades e pensamos que eles são iguais a nós”, afirmando que deseja “boa saúde” ao líder norte-americano. 

“Lembro-me de minha infância, quando discutíamos no quintal, costumávamos dizer: é preciso ser um para reconhecer o outro. E isso não é uma coincidência, não é apenas um ditado ou uma piada de criança”, completou o líder russo.  

Apesar do aparente desalinhamento, o mandatário russo disse que está disposto a trabalhar junto com os americanos, porém, em áreas de seus interesses e em condições consideradas benéficas pelo Kremlin. “E eles terão que levar isso em consideração”, pontuou.  

“Eles pensam que somos iguais a eles, mas temos um código genético, cultural e moral diferente e sabemos defender os nossos próprios interesses”, concluiu Vladimir Putin

As fortes declarações de Biden 

As eleições presidenciais dos EUA de 2020 ainda estão gerando polêmicas, mesmo após a vitória incontestável de Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama. Conforme repercutiu o UOL, o presidente russo entrará na mira do novo governo.

Durante uma entrevista à ABC News, transmitida na manhã desta quarta-feira, 17, o governante americanoJoe Biden afirmou que Vladimir Putin não sairá imune após todos os esforços em manter Donald Trump na liderança dos Estados Unidos na última eleição.

O líder que iniciou o mandato em janeiro deste ano disse: “Ele pagará um preço”. E acrescentou ainda: “Você verá em breve”. Há tempos, acusações de manipulações e fraudes vêm à tona envolvendo o nome de Trump e Putin.

Desde 2016, quando Hillary Clinton disputava o cargo, que a Rússia se encontrou em uma posição delicada. Supostamente, o governo de Putin teria ajudado a criar fake news que colocariam o republicano em vantagem. Apesar de ter conseguido se eleger em meio ao caos em primeiro momento, na reeleição, Trump fracassou.

Fonte: Aventuras na História

Ex-sindicalista morre em Campina Grande vítima de reinfecção da Covid-19

Mais uma vítima da Covid-19 em Campina Grande, faleceu na manhã dessa quinta-feira (18) Lindomar de Andrade Silva, conhecido também como Mazinho, ele estava internado no Hospital Pedro I e, infelizmente, não resistiu ao avanço da doença. Essa era a sua segunda internação por conta da Covid-19, em outubro passado, ele já havia passado por um período de oito dias de internação para tratamento da doença.

Lindomar de Andrade Silva, a direita na foto

Lindomar foi Presidente do Sindicato dos Gráficos de Campina Grande, militante filiado ao PCdoB, tinha 56 anos de idade e pai de três filhos.

O Gabinete Paraíba lamenta a morte do antigo amigo, pedindo a Deus que o Senhor possa recebê-lo em sua passagem, ao tempo que deseja aos amigos e familiares conforto e paz ao coração, nesse momento de imensa dor.

Redação Gabinete Paraíba