[CPI DA COVID] Governo Bolsonaro recusou 11 vezes ofertas para compras de vacina

O governo brasileiro recusou onze ofertas formais de fornecimento de vacinas contra a Covid. O método do Ministério da Saúde para dizer não sempre foi o de ignorar as propostas. O número leva em conta apenas os episódios em que há comprovação documental da omissão governamental e já é de conhecimento dos senadores que vão compor a CPI.

O placar deve crescer ao longo das investigações, já que um dos objetivos da comissão é apontar no relatório final o número de vezes em que o governo disse não à única solução para prevenir a doença.

Não ao Butantan

Instituto Butantan retoma produção de doses da Coronavac  — Foto: Reprodução/TV Globo

Das onze recusas conhecidas e que podem ser provadas com documentos, seis são referentes à Coronavc. Há três ofícios assinados pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, oferecendo o imunizante. O primeiro, datado de 30 de julho de 2020, e o segundo, de 18 de agosto, ficaram sem resposta. O terceiro documento foi entregue pessoalmente em 7 de outubro por Dimas Covas, ao ministro da saúde, o general Pazuello.

Como os documentos não tinham resposta, o Instituto Butantan realizou três videoconferências com integrantes do Ministério da Saúde para fazer a oferta. Nada andou. Os documentos com as provas da sabotagem do governo federal à Coronavac já estão separados numa gaveta do Instituto Butantan, aguardando apenas um pedido formal da CPI para serem entregues.

Não à Pfizer

Há ainda mais três ofertas formais feitas pelo laboratório Pfizer. A primeira delas foi feita em agosto de 2020, quando a farmacêutica colocou à disposição do Brasil 70 milhões de doses para serem entregues em dezembro. As outras duas ofertas formais, feitas através de documentos, foram confirmadas pelo laboratório. Segundo o ex-secretário de comunicação, Fabio Wajngarten, como o Ministério ignorava as propostas, exatamente como fez com o Butantan, ele próprio abriu as portas do Palácio do Planalto para uma negociação formal com o presidente da República e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Também não andou.

Não à Covax Facility

O senador Randolfe Rodrigues, autor do requerimento da CPI acrescenta à contagem as duas vezes que o governo Jair Bolsonaro se recusou a participar consórcio da Covax Facility. Segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, o Brasil só aderiu no terceiro convite para aquisição de 212 milhões de doses. O acordo era visto pelo Ministério das Relações Exteriores como uma atitude globalista, portanto nociva ao país. O número de doses foi reduzido a pedido do governo brasileiro.

Burro na cabeça

Esse humilde blog observa que já são onze recusas. Onze. No jogo do bicho, 11 é a dezena do burro. Sim, o governo Bolsonaro foi burro, para dizer o mínimo, ao recusar tantas ofertas de vacina. Mas para ser coerente com a retórica do governo, o certo seria que o número de recusas variasse entre 57 e 60, dezenas do jacaré.

Fonte G1Por Octavio Guedes

Em Reunião Nacional de Gestores de Juventude sobre a vacinação, Secretário do RN critica postura do Presidente antivacina

Gestor estadual fez duras críticas a postura do Presidente da República contrária à vacinação que tem gerado um descrédito em meio à população.

Secretário Gabriel Medeiros. Foto: Reprodução.

Na tarde desta terça-feira (27) em reunião da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, foi apresentado um plano nacional de imunização para a Juventude, no que diz respeito às diversas doenças no Brasil.

O Subsecretário de Juventude do Estado do Rio Grande do Norte, Gabriel Medeiros, após a explanação feita, criticou a postura contrária à vacinação, que o Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), tem adotado durante a pandemia da Covid-19.

A fala do gestor foi reproduzida logo após o posicionamento da Secretária Nacional de Juventude, a paraibana Emilly Rayanne, que estimulou os gestores presentes a realizarem campanhas com os jovens que não acreditam nas vacinas, posição inteiramente divergente do Presidente, o que foi elogiado pelo gestor potiguar em sua participação.

Gabriel ainda chamou a atenção para o fato de que Bolsonaro recusou várias ofertas de vacinas ao longo de 2020, feitas pelos principais laboratórios do mundo, além de ter posto em descrédito a eficácia das vacinas perante todo o povo brasileiro.

Porém o gestor elogiou a postura da Secretaria Nacional, em encampar a campanha de vacinação no Brasil para os jovens, mesmo sendo uma postura bem diferente do Governo Federal em si.

A Secretária que não tinha como rebater a fala do Secretário norte-riograndense, apenas destacou que segue em ação com o Ministério da Saúde, para estimular a campanha de vacinação entre os jovens desacreditados.

Redação Gabinete Paraíba

[MANIFESTAÇÃO] Comitê Sindical e Popular Contra Fome realiza ato em frente ao Gabinete do Prefeito e cobra diálogo para reabertura das Cozinhas Comunitárias

Na manhã dessa terça-feira (27), o Comitê Sindical e Popular Contra a Fome, movimento que reúne vários movimentos sociais e que ocupa a Cozinha Comunitária do bairro do Jeremias desde o último dia 19, realiza um ato em frente ao Gabinete do Prefeito, com o intuito de cobrar diálogo por parte do Prefeito Bruno Cunha Lima para reabertura das cozinhas comunitárias e restaurantes populares.

Imagem Gabinete Paraíba

Segundo Daiane Araújo, Presidenta do DCE da UFCG, membro do Levante Popular da Juventude e umas das lideranças do Comitê, no ato estão reunidos membros do Comitê e Mulheres da própria comunidade que aderiram ao movimento e cobram do Prefeito um posicionamento. Daiane também comentou o objetivo e a intenção do movimento com o ato nessa manhã.

“O objetivo é chamar atenção desse governo municipal que deveria estar dando resposta a fome que tem se expressado de forma tão grande nessas comunidades. Já são nove dias de ocupação, a gente tem alimentado cerca de 600 pessoas por dia e isso é muito simbólico quando a gente sabe que em outros bairros existem tantas outras famílias passando fome e que a Prefeitura ainda não deu um retorno pra isso. A nossa intenção aqui hoje é buscar sensibilizar e tentar dialogar de alguma forma com Bruno Cunha Lima, com a gestão dele que tem responsabilidade e obrigação de dar um retorno para essa população que tá passando fome.” Comentou Daiane.

A equipe do Gabinete Paraíba também buscou um posicionamento por parte da Prefeitura, ainda durante o ato o Secretário Chefe de Gabinete, Gilbran Asfora, solicitou ao movimento que formasse uma comissão de representantes, para que houvesse o diálogo juntamente com ele. Até a conclusão dessa matéria, não há informações sobre os encaminhamentos dessa reunião.

Confira algumas imagens do movimento:

O Gabinete Paraíba já fez uma matéria sobre o movimento, que pode ser acessado através do link.

Redação Gabinete Paraíba

[GOVERNO DA PB] Programa de Saúde Mental para policiais militares da Paraíba é destaque nacional

Governo quer ampliar programa para demais forças de Segurança do Estado da Paraíba.

O projeto Espaço Viver Bem, da Polícia Militar da Paraíba, foi reconhecido no Fantástico pelo bom exemplo.

Com unidade em João Pessoa, Campina Grande e Patos, o espaço oferece ajuda terapêutica para os policiais militares e seus familiares.

A meta do Governo da Paraíba é ampliar o serviço para as demais forças de segurança do Estado, como os policiais civis, penais e bombeiros militares.⠀

Por conta da pandemia, os psicólogos estão realizando atendimentos on-line. Para ser atendido, de acordo com a assessoria do Governo, basta enviar uma mensagem para o e-mail: caps.pmpb@gmail.com, com seu nome, matrícula e número de WhatsApp que um dos profissionais irá entrar em contato com você.

Telefones para contato

(83) 3243-5940 – Unidade João Pessoa
(83) 3333-7638 – Unidade Campina Grande
(83) 3423-2437 – Unidade Patos

Redação Gabinete Paraíba com informações do Governo da Paraíba

[ITATUBA] Presidente da Câmara formaliza apelo ao Ministério Público e pede intervenção na saúde de Itatuba

Pedido em caráter de urgência foi formalizado nesta segunda-feira (26). Nos últimos dias, Aécio Medeiros (MDB) já vinha fazendo apelos através de lives e em sessão na Câmara, quando alertou que a cidade vive um “caos na saúde”.

Aécio Medeiros, Vereador Presidente da Câmara Municipal de ITATUBA (MDB)

O apelo feito à Dra. Cláudia Cabral leva em consideração o alarmante avanço da COVID-19 em Itatuba. Com uma das maiores taxas de mortalidade da região e vivendo o pior momento desde o início da pandemia, a cidade registrou em menos de um mês um número de mortes superior a todos os óbitos provocados pela doença em 2020. “A matemática por si só já mostra o agravamento, mas, se adentrarmos aos detalhes, a dor que a COVID-19 tem causado em Itatuba é ainda maior: em dois momentos nas últimas semanas, a doença tirou duas pessoas da mesma família, sendo marido e mulher em poucos dias e mãe e filha no mesmo dia”, diz trecho do documento.

Alguns dos problemas destacados por Aécio são denúncias de falta de médico, inconsistências de dados apresentados pelo boletim municipal quando comparado ao boletim estadual, demora no diagnóstico de contaminação, fragilidade de notificação e isolamento de casos suspeitos e confirmados; deficitária aplicação e fiscalização das medidas em vigor, falta de ação da secretária de saúde.

“A secretária de saúde não aparece por imagem ou textualmente em nenhum momento para alertar a população sobre o avanço da pandemia. Nem secretária nem prefeito aparecem para essas ações. E sabemos o quão importante é o papel de um líder ao dar exemplo e pedir apoio da população nesse momento”, diz outro trecho do documento.

“Tivemos denúncias de que itatubenses com diagnóstico de COVID, ao contatar sua referida unidade básica de saúde, não encontraram médico nem orientações a contento de como proceder, restando-lhes apenas uma nova tentativa de contato, caso apresentassem piora no quadro de saúde. Sabemos que em se tratando de saúde, de vida, todo minuto conta. Não é justo que um paciente apresente sintomas e ao buscar o serviço seja mandado de volta para casa e submetido a um teste de sorologia apenas após 10 dias de sintomas. Pode ser tarde demais. Como sabemos, sintomas mais contundentes já sinalizam agravamento da doença, sobretudo para aqueles com comorbidades. Quantos pacientes podem ter apresentado quadro grave da doença e terem sido hospitalizados à espera de realizar um teste sorológico? A cada morte, a cada vida perdida, os sentimentos de medo e impotência crescem na população de Itatuba, sobretudo pela postura adotada pela gestão municipal, principalmente a Secretaria Municipal de Saúde”, lamenta Aécio.

ALÉM DE PROBLEMAS, SOLUÇÕES

Segundo o Presidente Aécio, os apelos incessantes que chegam ao Poder Legislativo e que também são vistos diariamente nas redes sociais mostram que a população de Itatuba está disposta a enfrentar o vírus e a se unir contra a pandemia, mas que, para isso, quer ser ouvida.

Para além de apresentar problemas, o Presidente do Poder Legislativo Municipal enumera uma série de medidas de contenção do vírus que vêm sendo sugeridas pelos parlamentares e pela população da cidade, a exemplo da realização de testes em domicílio, testagem em massa, ampla oferta de testes do tipo RT-PCR, espaço e veículo exclusivos para atendimento aos casos suspeitos e confirmados, restrições de atividades e mobilidade, entre outros. Também foram sugeridos os serviços de fisioterapia e acompanhamento psicológicos para quadros pós-Covid e apoio aos familiares.

Aécio assegura que as ideias sugeridas não estão longe da nossa realidade. Muitas delas já foram executadas em Itatuba meses atrás e outras são vistas em cidades circunvizinhas. “Há poucos dias, a cidade de Ingá realizou testagem em massa em uma comunidade quilombola antes da aplicação das vacinas, podendo, assim, isolar casos assintomáticos e não aplicar doses em contaminados. Ingá, apesar de mais populosa que nossa cidade e cortada por duas rodovias federais, tem taxa de mortalidade inferior à Itatuba. Riachão do Bacamarte é referência estadual no enfrentamento à COVID-19 por também realizar testagem em massa em localidades e isolar os casos confirmados. Dessa maneira, mesmo cortada por uma das principais rodovias federais do país, não registra nenhum óbito desde o início da pandemia. Riachão, assim como Itatuba, enfrentou recentemente troca de gestão em que a então oposição chegou à administração, mas isso não interrompeu o brilhante trabalho da saúde, diferentemente do que aconteceu em nossa cidade. E citamos isso não sob a esfera político-partidária, mas administrativa”, lembra Aécio.

ACREDITAMOS NO BOM SENSO E NA JUSTIÇA

O pedido diz que Itatuba vive hoje na contramão da Paraíba. Enquanto os números de óbitos e hospitalização apresentam redução em todas as regiões, a cidade tem piorado no enfrentamento à pandemia.

“Apelamos ao Ministério Público para que interceda e, desde já, nos colocamos inteiramente à disposição para ajudar no que nos for possível”, diz o documento.

Aécio confia na sensatez do Ministério Público e espera que medidas sejam tomadas urgentemente. “Acredito fielmente que a Dra. Cláudia Cabral irá cumprir seu papel, que é de zelar pela sociedade, e assim fará com nossa Itatuba”, finaliza o Presidente.

Redação Gabinete Paraíba com ASCOM/Aécio Medeiros

[COMBATE À POBREZA] STF determina que Governo Federal crie programa de renda básica para conter extrema pobreza

Proposta é que o programa inicie em 2022, mas ministros divergem e defendem ação imediata.

Foto: Marcello Casal / Agência Brasil / Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o governo deverá criar um programa de renda básica à população de extrema pobreza. A União deverá definir o valor, que começará a ser pago a partir de 2022.

O benefício deverá abranger todos que tenham renda mensal inferior a R$178, e regulamenta uma lei instituída há 17 anos, ainda no governo Lula. O intuito do programa é atender às despesas mínimas individuais com alimentação, educação e saúde.

O resultado da votação foi de 7 a 4, com os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Kassio Nunes Marques e Luís Roberto Barroso formando a maioria.

A divergência foi em relação ao prazo para implementação do benefício. O relator do caso, Marco Aurélio, além dos demais ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski defendiam que o programa deveria ser instituído imediatamente e com um valor equivalente ao do salário mínimo (R$ 1.045).

Gilmar Mendes, no entanto, afirmou que, além de não caber ao STF determinar o valor, a instituição imediata poderia prejudicar outros programas sociais já previstos no orçamento.

Fonte: Metrópoles

[POBREZA] Desempregados deixam de comer para alimentar animais domésticos no Brasil

A situação da pobreza no Brasil tem se agravado e as pessoas preferem passar fome a ver seus pets ficarem sem comer.

Senhora com seus animais.
Foto: Metrópoles/Reprodução.

A carroceira Edinailde Santos, 43 anos, procura amenizar a sensação de abandono nas ruas de São Paulo com a adoção de animais de estimação. Há duas décadas dormindo entre calçadas e marquises, ela recolhe cachorros para se proteger do desamparo social e da violência na capital paulista.

Quando a pandemia de Covid-19 chegou ao Brasil, Edina, como é chamada na região, já tinha em mente que passaria por mais apertos na cidade mais rica do país. No entanto, não imaginava que a alimentação de Bia, 2 anos, e Scooby, 2 meses, seria comprometida pela crise sanitária.

Na tentativa diária de enganar a fome, ela conta com o dinheiro de materiais recicláveis encontrados nas ruas da Lapa, bairro de classe média da zona oeste. Edina também recebe doações de ONGs e amostras grátis entregues por funcionários de pet shop.

Entretanto, não é sempre que acha materiais de plástico, alumínio e vidro nos lixos espalhados pela cidade – um dia muito bom rende R$ 50 no bolso.

Edina se desdobra nos sete dias da semana. De segunda a quinta, cuida do Scooby, e de sexta a domingo vai à casa do sogro, em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, fazer companhia para a cadela Bia. Na sua ausência, um irmão em situação de rua cuida do filhote, que já tem a quantidade exata de ração para comer e o cobertor para se cobrir das temperaturas noturnas.

Metrópoles

[DIREITO ANIMAL] Jovem liderança de Bananeiras se destaca com projeto “Animais sem Fome”

Projeto foi iniciado em 2020 e tem tido grande repercussão nas mídias sociais.

Ícaro Marques. Foto: Instagram/Reprodução.

O jovem Ícaro Cássio Marques iniciou em 2020, no município de Bananeiras, o projeto “Animais sem Fome”, no qual ajuda animais de rua com ração e água diariamente.

Ícaro, que foi candidato a vereador pelo Partido dos Trabalhadores de Bananeiras, na última eleição, argumenta que cuidar dos animais é cuidar também da saúde pública e que a pauta é um dos seus principais compromissos.

Até hoje o bananeirense vem mantendo o projeto e tem contado com apoio de alguns amigos e familiares na execução do projeto.

Marques tem incentivado outras pessoas a fazerem o mesmo em suas regiões e tem pedido o auxílio da população de Bananeiras para poder continuar ajudando aos animais, através de suas redes sociais.

“É muito gratificante pra mim levar a frente o projeto “Animais sem fome”. Nossa ação tem como objetivo ajudar no combate à desnutrição dos animais de rua. Caso as pessoas de Bananeiras ou de outras localidades queiram fazer sua parte, para contribuir, deixando sua doação de ração, fale comigo no meu direct no Instagram e assim poderá nos ajudar e ajudar aos animais de rua da nossa querida Bananeiras. Conto com o apoio de todas as pessoas que assim como eu, amam os animais!” – apelou.

Projeto Animais sem Fome.
Foto: Instagram/Reprodução.

Além do projeto de nutrição animal, o jovem tem sido um ferrenho opositor dos que maltratam os animais.

Na sua conta no instagram, Ícaro chamou a atenção dos seus seguidores para o Abril Laranja, uma campanha contra a crueldade praticada em relação aos animais.

“Abril laranja é considerado o mês e a cor de prevenção contra crueldade animal. Infelizmente, os maus tratos acontecem muito nos dias de hoje. Se presenciar esse crime, não se omita, denuncie” – declarou num de seus posts.

Post sobre o Abril Laranja. Imagem: Reprodução.

Para o jovem político do brejo paraibano, proteger e assegurar os direitos animais é uma marca de nossa verdadeira humanidade e que deve ser um dever de todos e todas, cuidar dos seres indefesos, principalmente os que vivem nas ruas abandonados.

Redação Gabinete Paraíba

[MULHERES] Vereadora Jô Oliveira propõe criação do Programa de Enfrentamento à Pobreza Menstrual em Campina Grande

Projeto da parlamentar visa beneficiar estudantes de rede pública municipal e mulheres carentes de Campina.

Vereadora Jô Oliveira. Foto: Ascom/Reprodução.

A pobreza menstrual é uma realidade ainda pouco discutida em nossa sociedade, mas que atinge a cada dia milhares de mulheres, meninas e homens trans em nosso país. Com intuito de combater essa triste realidade, que causa problemas de saúde e até evasão escolar, a vereadora Jô Oliveira (PCdoB) protocolou na Câmara Municipal de Campina Grande, o Projeto de Lei que Institui o Programa Municipal de Enfrentamento a Pobreza Menstrual – PMEPOM.

O projeto em linhas gerais visa instituir o fornecimento gratuito de absorventes higiênicos para estudantes das escolas da rede pública municipal, em situação de vulnerabilidade social e econômica, bem como para mulheres em situação de rua e que não possuem condições financeiras para compra de itens de higiene pessoal.

O artigo 4º do projeto institui para efeito de eficácia da lei o “absorvente higiênico” como um produto básico de higiene pessoal e um bem essencial. A vereadora JÔ Oliveira destaca a importância dessa ação, que para além de beneficiar as mulheres que mais precisam, também atua como uma medida de saúde pública.

“Disponibilizar o acesso gratuito ao alcance de quem necessitar é fundamental, pois absorventes higiênicos não são itens supérfluos e sim de necessidade básica, e que influem na saúde pública. Dessa forma é preciso que os mesmos façam parte do orçamento das unidades escolares, dos órgãos de acolhimento de pessoas em situação de rua, assim como fazem parte outros itens essenciais. Muitas mulheres podem ter problemas de saúde sérios pelo uso de itens não adequados durante o período menstrual, como panos sujos ou outros objetos”, destacou a vereadora.

Vereadora em sessão online.
Foto: Ascom/Reprodução.

Jô Oliveira ainda afirma que o projeto foi protocolado seguindo todos os trâmites da Casa de Félix Araújo e que deve entrar na pauta de votação em breve.

“O projeto deve passar pela Comissão de Constituição e Justiça da Casa, e após esse parecer ele entrará na pauta de votação. Acreditamos que os vereadores e vereadoras terão um olhar sensível para essa situação, que afeta tantas mulheres pobres de nosso município”, enfatizou.

Redação Gabinete Paraíba com ASCOM/Jô Oliveira