Parece piada, tem jeito de piada, só pode ser piada, Gervásio afirma que candidatura de João é a que mais representa a esquerda na Paraíba

É isso mesmo amigos e amigas leitores, o Presidente do PSB na Paraíba, Deputado Gervásio Maia, afirmou em entrevista na Rádio Correio, que a candidatura de João Azevêdo “é a que mais representa a esquerda na Paraíba.”

Basta acompanhar minimamente a política paraibana para saber que essa afirmação em nada representa uma verdade. Retirando os companheiros comunistas do PCdoB, os poucos membros do PV, alguns petistas de seu governo e, justiça seja feita por sua atuação na Câmara, o próprio Gervásio, que passou três anos longe do Governador, nem o próprio João e nem a maior parte da sua base de sustentação se alinham a esquerda. Inclusive, devem também discordar do Deputado.

E só deixando claro, essa análise nem é sobre quem pode e representa melhor esse campo ideológico, mas por que não faz sentido nenhum ouvir em pleno horário de almoço, uma afirmação dessa.

O Governador João Azevêdo, que mesmo tendo sido eleito pelo PSB e contando totalmente com o apoio da esquerda paraibana em sua eleição, sempre demonstrou uma postura de Centro-Direita, seja na sua gestão, nas suas próprias ações e falas. Falas essas, por exemplo, que faltaram na eleição do segundo turno em 2018, quando o candidato Haddad esteve aqui na Paraíba, para defender o nome do então postulante a Presidente, ou também no período da prisão de Lula, quando João praticamente não se posicionou sobre o fato, restando apenas uma opinião, já em 2019, quando ele ganhou a liberdade.

Já como Governador, até aqui evitou entrar em choque com o Presidente Bolsonaro, se limitando as questões de ordem institucional ou uma outra ação que, como governante, seria impossível não se posicionar, mas nunca um embate direto, o que também é esperado quando se é uma liderança, ainda mais de esquerda.

Logo que saiu do PSB, ainda em 2020, João se abrigou ao Cidadania, um partido de Centro-Direita, que sempre esteve alinhado ao PSDB e suas pautas, justificando sua ida através da identificação com o grupo.

Por suas atitudes em relação a sua articulação política, João nunca se preocupou em se alinhar com a esquerda paraibana, pelo contrário, em 2020 na capital, apoiou a candidatura de Cicero Lucena, que tem uma carreira extensa pelo PSDB e na disputa para o governo municipal, escolheu o Partido Progressistas como casa, partido esse que não é preciso nem se aprofundar, é o principal na sustentação da base do Presidente Bolsonaro e um dos líderes do Centrão no Congresso Nacional.

É também do PP que João busca o seu Senador, o Deputado Federal Aguinaldo Ribeiro, alinhado de corpo, alma e voto com as pautas e projetos presidenciais na Câmara dos Deputados. Só por ai, já estaria clara essa relação pouco esquerdista que constrói o Governador.

João convidou e tentou articular o nome de Romero Rodrigues para ser seu Vice-Governador, nas eleições próximas, Romero que é declaradamente bolsonarista, na política e nos princípios ultra-conservadores que defende.

Mas não para por ai, o principal partido da base do Governador no estado, o Republicanos, é base do Presidente Bolsonaro em Brasília, o próprio Presidente do partido aqui no estado, Deputado Federal Hugo Motta, mesmo agora tentando se distanciar, sempre apoiou as pautas e projetos do Presidente na Câmara Federal e deixou claro que mesmo João tendo a preferência por apoiar Lula, não deixaria de votar as pautas do Capitão.

É claro que poderíamos nos alongar ainda mais em apresentar fatos, facilmente encontrados em qualquer site de busca, mas como disse mais acima, basta acompanhar minimamente um pouco de política em nosso estado pra saber que a fala do Deputado Gervársio distorce completamente da realidade, em meio a sua estratégia de querer aproximar novamente o eleitor de esquerda ao Governador João Azevêdo, brinca com a nossa capacidade de entender a conjuntura que se passa, a verdade é que sua fala parece uma piada, tem jeito de piada e só pode ser piada.

Redação Gabinete Paraíba

Vereador petista confirma tentativa de formação de bloco de esquerda para as eleições 2022

O vereador de João Pessoa, Marcos Henriques (PT), revelou nesta quarta-feira (14), durante entrevista à TV MASTER, que os partidos de esquerda da Paraíba estão se organizando para lançar uma frente de esquerda nas eleições de 2022.

Segundo o vereador, houve uma reunião onde foi discutido com o PT, PSOL, PV,PSB, PCdoB e UP a criação do grupo e a formatação de um projeto de desenvolvimento para Paraíba.

“Primeira coisa que essa frente vai fazer é discutir projetos. Iremos fazer uma análise pé no chão para o desenvolvimento da Paraíba” disse Marcos.

Com informações do Acesso Político

[ELEIÇÕES 2022] Flávio Dino declara que só união da esquerda com o centro pode derrotar Bolsonaro

Na visão do Governador Maranhense, a esquerda precisa se unir ao centro para vencer Bolsonaro em 22.

Governador Flávio Dino (PCdoB).
Foto: Reprodução.

O Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), declarou novamente que a esquerda necessita se aliar ao centro, pra derrotar o Presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Reafirmo que esse movimento de ampliação, no sentido de falarmos para além da esquerda, é imperativo. Para vencer Bolsonaro é preciso que nós façamos isso. E não vejo o Lula como obstáculo. Em primeiro lugar, porque ele já fez isso em 2002, quando se elegeu presidente com o José Alencar de vice, um empresário liberal que representava um sindicato patronal. E, segundo, porque já mostrou estar disposto a construir um projeto de nação que olhe para o futuro mais do que para o passado”, afirmou o governador, em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo.

Na visão do gestor Comunista, os nomes do apresentador de TV, Luciano Huck (sem partido), do Governador João Dória (PSDB), do ex-Ministro da Saúde, Henrique Mandetta (DEM), dentre outros nomes, serão importantes numa eventual disputa da esquerda contra Bolsonaro, num possível segundo turno, das eleições. Ele avalia que a candidatura de Lula (PT) não inviabilizaria tais acordos.

O Governador também disse que Ciro Gomes é um possível nome que também estaria nessa aliança contra Bolsonaro, num possível apoio ao ex-Presidente Lula.

“Ciro já foi ministro de Lula, eu não fui. Não é possível que desse casamento só sobraram mágoas, tem que ter algum vestígio de amor ali”, comentou.

O único nome vetado por Flávio Dino é o do ex-Juiz e ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro (sem partido).

“Não tem ambiente para Moro na política. Ele é uma unanimidade negativa, não conheço mais de dez políticos que o apoiem para ser candidato. Nem sei se ele teria uma legenda para se lançar. Isso é o resultado do conjunto da obra” pontuou o Comunista.

Redação Gabinete Paraíba com informações do Jornal Estado de São Paulo