[EMOÇÃO] EUA comemora libertação das máscaras e país já tem 36% do povo vacinado

Raquel Krähenbühl.
Foto: Instagram/Reprodução.

Na manhã desta sexta-feira (14), os Estados Unidos da América comemoraram, através de pronunciamento do Presidente Joe Biden, o fim do uso das máscaras para as pessoas que já foram vacinadas.

A jornalista e correspondente da Globo no país, Raquel Krähenbühl, comemorou ao vivo o momento, com a retirada da máscara.

Raquel Krähenbühl.
Vídeo: GloboNews/Reprodução.

DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS EUA

Os EUA registraram até esta última quinta-feira (13), cerca de 32,9 milhões de pessoas infectadas pela Covid-19, com um total de 584 mil pessoas mortas pela doença.

Entretanto, o país já passa a comemorar a vitória sobre a Pandemia, com 267 milhões de doses do imunizante contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2), e um número de 119 milhões de pessoas vacinadas, o equivalente a 36% da população estadunidense.

SITUAÇÃO DO BRASIL

O Brasil, contudo, ainda sofre pelas medidas pouco eficazes do Governo Federal quanto ao enfrentamento da Pandemia e que têm sido investigadas pela CPI da Covid-19 no Senado Federal.

O país até o momento registrou 15,4 milhões de casos da Covid-19, com 430 mil mortes em virtude do vírus.

Graças às medidas adotadas – de recusa de doses da vacina, ainda em agosto do ano passado, quando foram oferecidas mais de 100 milhões de doses do imunizante pela Pfizer, para aplicação em 2020 – a vacinação caminha a passos lentos, com apenas 50,3 milhões de doses da vacina aplicadas e o quantitativo de 16,2 milhões de pessoas imunizadas, um total de 7,7% da população brasileira.

Redação Gabinete Paraíba

Presidente Joe Biden comemora momento vivido nos EUA: “Isso é democracia em ação”

O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, usou sua conta no Instagram, nesta terça-feira (11), para comemorar o momento vivido no país sob sua administração.

O gestor enalteceu o andamento das políticas econômicas, das políticas de saúde e ainda declarou que a população tem sentido os efeitos reais destas iniciativas de sua gestão.

“Estamos vacinando a nação. Estamos a criar centenas de milhares de empregos. Estamos a fornecer resultados reais que as pessoas podem ver e sentir nas suas próprias vidas. Essa é a essência da América. Isso é democracia em ação”, escreveu o líder estadunidense.

COMPARATIVO DA VACINAÇÃO ENTRE OS EUA E O BRASIL

Nos EUA, 263 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 já foram aplicadas. Até o momento, cerca 117 milhões de pessoas já foram completamente vacinadas, o equivalente a 35,5% da população que já foi imunizada contra o vírus.

No Brasil, 48,2 milhões de doses foram aplicadas na população contra o novo coronavírus. O número de pessoas completamente imunizadas é de 15,5 milhões, o equivalente a 7,4% da população.

As informações referentes aos dois países são do Our World in Data.

Redação Gabinete Paraíba

Presidente Joe Biden conclama o povo dos EUA a vacinar contra a Covid-19: “As vacinas estão disponíveis”

Presidente dos EUA tenta convencer os estadunidenses a tomarem a vacina após o país acelerar na imunização.

Presidente Joe Biden no Congresso.
Foto: Reprodução.

Na véspera de completar 100 dias à frente da presidência dos Estados Unidos, Joe Biden fez seu primeiro discurso ao Congresso americano, no qual pediu que os americanos se vacinem, defendeu projetos trilionários de reforma do Estado americano e afirmou que é hora de empresas e ricos financiarem programas sociais.

“Saiam e vão se vacinar, americanos. As vacinas estão disponíveis”, pediu à população.

Depois de uma aceleração na vacinação, os EUA precisam agora convencer americanos que ainda hesitam em tomar a vacina a se imunizarem. Ele chega à data com sua principal promessa alcançada: a de aplicar 100 milhões de doses da vacina nestes 100 primeiros dias. A meta foi revisada no meio do caminho e ampliada para 200 milhões, algo que ele também atingiu.

“A pior pandemia em um século. A pior crise econômica desde a Grande Depressão. O pior ataque à nossa democracia desde a Guerra Civil”, disse o presidente, na mesma sala atacada em janeiro por extremistas pró-Trump que tentaram impedir a certificação de sua eleição. “Agora – depois de apenas 100 dias – posso dizer à nação: os EUA estão em movimento novamente. Transformando o perigo em possibilidades. Crise em oportunidade. Revés em força”, afirmou.

Fonte: Estadão

[IMUNIZAÇÃO] Como o cantor Elvis Presley foi essencial na campanha de vacinação nos EUA na década de 50

Com a iniciativa do Rei do Rock, a população estadunidense sentiu-se encorajada para vacinar contra a poliomielite.

Elvis Presley se vacinando. Foto: Reprodução.

O cantor Elvis Presley foi essencial para o sucesso da vacinação contra a pólio nos EUA da década de 1950. Em outubro de 1956, o cantor compareceu ao programa de TV The Ed Sullivan Show, um dos mais populares da época, horas depois de tomar a vacina contra a pólio. As fotos do momento foram divulgadas no palco pelo apresentador.⠀

Antes do programa, apenas 10% dos adolescentes americanos – grupo de risco da poliomielite – tinham se vacinado. Um ano após a aparição de Elvis, o número de casos da doença caiu 81%. Ídolo da época, a atitude foi vista como um exemplo para a sociedade americana, especialmente para os mais jovens.⠀

Com as campanhas de vacinação contra a covid-19 ao redor do mundo, políticos, celebridades e outras pessoas notórias têm compartilhado, nas redes sociais, fotos e vídeos do momento em que foram imunizadas.⠀

No Brasil, tornou-se comum ver artistas como Maria Bethânia, Mauricio de Sousa e Roberto Carlos compartilharem o momento em que foram imunizados contra a covid-19. Na política, a atitude também foi tomada pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Michel Temer (MDB), José Sarney (MDB), Fernando Collor (PROS) e Dilma Rousseff (PT), por exemplo.⠀

O gesto, interpretado por alguns como mera vaidade, tem importância histórica na popularização de campanhas de imunização ao longo das décadas. A foto da vacinação também serve para desmistificar temores que possam surgir em alguns membros da população.

Fonte: Nexo Jornal

[CURIOSIDADE] Entenda a tecnologia por trás das fantasias das personagens da série “Família Dinossauros”

Tecnologia utilizada para movimentos das personagens não era nada jurássica.

Imagem: Superinteressante/Reprodução.

Lançada nos EUA em 1991, “Família Dinossauros” foi exibida no Brasil em diversas emissoras: Globo, SBT, Band. A série era quase uma sitcom familiar comum – com a diferença de que os personagens eram estegossauros, tricerátopos e tiranossauros. Mas a tecnologia que permitia essa fantasia, criada pela mesma empresa dos Muppets, não era nada jurássica.

Os atores vestiam uma “máscara-capacete” feita de espuma de látex, com crânio de fibra de vidro. Ela continha cerca de 26 servomotores bem pequenos, responsáveis por mover olhos, boca, sobrancelhas, testa e outros recursos. Combinados, eles permitiam vários tipos de expressões faciais.

Estrutura da fantasia. Imagem:
Superinteressante/Reprodução.

O “cabeção” ainda tinha espaço para um microfone, que captava a voz real do ator, e um fone de ouvido, para que ele recebesse ordens do diretor. A fantasia completa era tão complexa que cada uma levou até 16 semanas para ser produzida!

Ao ator, cabia apenas dizer as falas e andar pelo cenário. As expressões faciais eram controladas a distância, com uma luva especial plugada a um computador. Cada movimento que o marionetista fazia com a luva era interpretado por um programa e enviado, via rádio, à máscara.

A cada quatro semanas de gravação, era preciso tirar uma de folga para fazer a manutenção do sistema. De acordo com Peter Brooke, da Jim Henson`s Creature Shop, empresa responsável por todo o aparato, a tecnologia era inovadora para a época, e ela foi aprimorada ao longo dos quatro anos da série.

Ficou com saudade dos Silva Sauro? “Família Dinossauros” foi produzida pela ABC, um canal de TV que pertence à Disney. Nos EUA, a série está no Disney+, mas ela ainda não chegou ao catálogo brasileiro.

Fonte: Revista Superinteressante

[NOVIDADE] ANVISA recebe pedidos de registro de novos medicamentos contra a Covid-19

Um dos medicamentos foi autorizado pela FDA e já foi testado em 465 pessoas nos EUA.

Imagem: Reprodução.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu nesta sexta-feira (02), um pedido de uso emergencial de um remédio contra a covid-19 desenvolvido pela farmacêutica Roche. Trata-se de uma combinação de medicamentos que forma uma espécie de coquetel de anticorpos e pode auxiliar no tratamento dos pacientes infectados.

Na última terça-feira (30), a Anvisa já havia recebido o pedido de uso emergencial de um medicamento para tratar a Covid-19 desenvolvido pela empresa Eli Lilly and Company.

Também é uma espécie de coquetel de anticorpos monoclonais que foi elaborado a partir de proteínas produzidas em laboratório para imitar a capacidade do sistema imunológico humano em combater o novo coronavírus.

Nos Estados Unidos, a agência reguladora Food and Drug Administration (FDA) autorizou, em novembro, o uso emergencial do coquetel em pacientes com idade acima dos 12 anos, que apresentem casos leves e moderados da Covid-19 com risco de evolução para internação.

A autorização se deu após estudo clínico com cerca de 465 pessoas. Na pesquisa, apenas 3% dos voluntários com Covid-19 que tomaram o remédio da Eli Lilly precisaram ser internados, porcentagem que subiu para 10% no grupo que tomou o placebo.

A Anvisa tem prazo de 30 dias para se manifestar sobre os pedidos, prazo que começa a contar 72 horas após o recebimento da documentação encaminhada pelas empresas farmacêuticas.

Redação Gabinete Paraíba com informações de Valor Econômico

[31 DE MARÇO] PCO chama atos contra as comemorações da Ditadura Militar em todo Brasil

Atos acontecem em todo Brasil e também no exterior, em cidades européias e estadunidenses

Manifestantes. Foto: Reprodução.

Em 21 cidades, em todas as regiões do País e no exterior, os comitês contra o golpe e o Partido da Causa Operária (PCO) estão chamando manifestações para combater os atos de celebração do aniversário do golpe militar de 1964, em 31 de março.

Bolsonaristas e militares saudosistas chamaram uma série de atividades para celebrar este ato, que marcou o início de um regime de assassinos e torturadores que durou 21 anos, justamente num momento em que a extrema direita se organiza para censurar e reprimir ativistas que se manifestam contra o governo Bolsonaro.

Veja a convocação de um dos líderes, o Antônio Carlos Silva:

Estão fazendo propaganda do golpe militar de 1964 para preparar uma nova investida contra os direitos democráticos da população. Os partidos de esquerda, as organizações operárias e populares, os militantes e ativistas não podem permitir esse avanço ditatorial, dizem as lideranças do Movimento. “Não podemos apenas dizer que somos contra, temos que mostrar nas ruas que vai ter resistência.”

“O momento sanitário é grave, mas não podemos, nem mesmo nessas condições virar às costas ao povo brasileiro, é preciso tomar todas as precauções, mas é igualmente preciso tomar as ruas para protestar contra o governo de Bolsonaro e a ameaça fardada. Os comitês de Luta e o Partido da Causa Operária estão convocando atos em várias capitais e cidades do exterior e não deixar que este abuso contra o povo trabalhador passe sem resistência.”

“De norte a sul do País e em todo o mundo, façamos do 31 de março um dia de protesto contra a ditadura fascista de 1964 e contra o governo genocida que vivemos hoje! Fora Bolsonaro e todos os golpistas, por um governo dos trabalhadores!” – diz a convocatória do movimento.

Confira os locais onde estarão sendo realizados os anti-atos:

Sul

– Porto Alegre – Esquina Democrática, 13h;
– Florianópolis – Catedral Metropolitana, 16h;
– Curitiba – Praça Santos Andrade, 16h.

Sudeste

– São Paulo – Vão do Masp, 15h;
– Araraquara – Praça Santa Cruz, 15h30;
– Rio de Janeiro – Cinelândia, 15h;
– Volta Redonda – Praça Memorial Zumbi, 13h;
– Belo Horizonte – Praça da Estação, 16h;
– Vitória – (Horário e local a confirmar).

Centro-oeste

– Brasília – Biblioteca Nacional, 16h;
– Cuiabá – Praça Alencastro, 17h30;
– Campo Grande – (Horário e local a confirmar);
– Goiânia – (Horário e local a confirmar).

Norte

– Rio Branco – Parque da Maternidade (Terminal Urbano), 9h;
– Macapá – Lugar bonito (Centro), 10h;
– Palmas – (Horário e local a confirmar);
– Manaus – (Horário e local a confirmar);
– Itaquatira (MA) – Bosque das Seringueiras, 16h;
– Belém – Praça do Operário, 10h;
– Porto Velho – (Horário e local a confirmar);
– Boa Vista – (Horário e local a confirmar).

Nordeste

– Salvador – Praça Piedade, 14h;
– Aracajú – (Horário e local a confirmar);
– Maceió – Praça Centenário, 15h;
– Recife – Monumento Tortura Nunca Mais, 9h;
– João Pessoa – Parque Solon de Lucena (Lagoa), 15h30;
– Natal – (Horário e local a confirmar);
– Fortaleza – (Horário e local a confirmar);
– São Luís – (Horário e local a confirmar);
– Teresina – Av. Frei Serafim, 16h.

Europa

– Portugal – Porto – Consulado do Brasil, 10h;
– Alemanha – Berlim – Embaixada Brasileira, 12h30;
– Reino Unido – Birmingham – West Midlands;
– Espanha – Barcelona – Praça de Sant Jaume, 17h;
– Áustria – Viena – Biblioteca Nacional (Em frente à Embaixada do Brasil), 15h30;
– Finlândia – Helsinque – Embaixada do Brasil, 16h.

América do Norte

– EUA – Nova Iorque – Embaixada do Brasil, 14h.

Fonte: Causa Operária

[EUA] Em Nova Iorque, Cannabis está prestes a ser legalizada e a arrecadação prevista será de US$ 350 milhões

Nova legislação nova-iorquina permitirá a abertura de locais dedicados ao consumo e cultivo de até seis pés de maconha para uso pessoal

Imagem: Reprodução.

Um grupo de legisladores de Nova York, nos Estados Unidos, entrou em consenso com o governador Andrew Cuomo para permitir o uso legal e recreativo de maconha para pessoas com mais de 21 anos.

Cuomo, resistindo à ideia, argumentava que a maconha era uma “droga de passagem” para substâncias mais perigosas.

Segundo o jornal The New York Times, que teve acesso ao acordo, a nova legislação permitiria, entre outras coisas, a abertura de locais dedicados ao consumo e cultivo de até seis pés de maconha para uso pessoal.

Um dos pontos do texto prevê que milhões de dólares em receitas fiscais do setor de venda de maconha sejam investidos em áreas nas quais vivem comunidades negras e latinas, afetadas por décadas de guerra às drogas. Ainda que parte considerável das licenças emitidas para a comercialização da maconha seja para empresários dessa parcela da população.

“Uma porcentagem da receita arrecadada será investida nas comunidades de onde vêm e onde ainda vivem as pessoas que sofreram com o encarceramento em massa”, declarou a deputada Crystal Peoples-Stokes ao New York Times.

“Para mim, isso é muito mais do que aumentar a receita: é investir na vida das pessoas que foram prejudicadas.”

O texto está sendo revisado e deve ser votado na Assembleia Legislativa de Nova York na próxima semana. A expectativa é que o projeto seja aprovado, uma vez que a Casa tem maioria democrata – partido que encabeça a defesa pela mudança na lei.

Receita tributária

O governo de Nova York estima que o estado receba US$ 350 milhões em receita tributária anual com a legalização da maconha. Desse montante, 40% seriam direcionados a comunidades formadas por minorias, 40% para educação pública e 20% para tratamento, prevenção e educação contra as drogas.

“Quando este projeto for finalmente votado e assinado, Nova York poderá dizer que finalmente desfez as leis de justiça criminal prejudiciais que não fizeram nada além de arruinar a vida das pessoas”, afirmou a senadora estadual Liz Krueger.

Fonte: Metrópoles

[Covid-19] Biden cumpre promessa e vacina 100 milhões de americanos antes do prazo previsto

Vacina contra Covid-19 produzida pela Janssen – Kamil Krzaczynski/AFP

O presidente Joe Biden cumpriu, nesta sexta-feira (19), 41 dias antes do prazo previsto, a promessa de administrar 100 milhões de doses das vacinas contra o coronavírus nos Estados Unidos, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Em 14 de janeiro, seis dias antes de assumir a Casa Branca, o democrata havia prometido colocar “100 milhões de doses de vacina contra a Covid nos braços da população americana” até seu centésimo dia no cargo.

A campanha de imunização nos EUA, porém, ultrapassou a marca nesta sexta, o 59º dia de Biden na Presidência. O último balanço divulgado pelo CDC mostra que, no total, 118,3 milhões de doses foram aplicadas desde que a primeira equipe de profissionais de saúde de Nova York foi vacinada em 14 de dezembro, ainda no governo de Donald Trump.

Até agora, 77,2 milhões de pessoas receberam ao menos uma dose do imunizante e 41,9 estão completamente vacinadas – porque receberam as duas aplicações da vacina da Pfizer ou da Moderna ou a dose única da vacina da Johnson & Johnson.

Em média, o país tem aplicado 2,46 milhões de vacinas por dia e ocupa a nona posição entre as nações que administraram mais doses em relação ao tamanho da sua população – são 349,6 a cada mil habitantes. O primeiro do ranking é Israel (1.112,7), e o Brasil é o 60º, com índice de 61,2.

Quando Biden fez a promessa, em janeiro, menos de um mês depois do início da campanha de imunização, a média móvel de casos confirmados nos EUA ainda estava próxima do pico de mais de 250 mil infecções diárias.

Desde então, a queda foi bastante acentuada, de modo que o índice registrado nesta quinta-feira (18) foi de 54,6 mil novos casos – redução de mais de 78%. Os EUA ainda ocupam, porém, o primeiro lugar na lista nada honrosa de países com os maiores números de contaminados e mortos pela Covid-19.

Desde o início da pandemia, foram mais de 29,7 milhões de casos confirmados e quase 541 mil óbitos, de acordo com os dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Fonte: Folha de Pernambuco

[EUA x Rússia] Biden diz que Putin é assassino e líder russo rebate: “É preciso ser um para reconhecer o outro”

Joe Biden e Vladimir Putin. Foto: Reprodução.

A troca de acusações entre os presidentes Joe Biden (Estados Unidos) e Vladimir Putin (Rússia), ganhou mais um capítulo na manhã desta quinta-feira, 18. Tudo começou ontem, 17, a partir de uma declaração de Biden, que disse ‘sim’ ao ser questionado se o governante russo era um assassino.  

Em pronunciamento transmitido pela televisão russa hoje, Putin ironizou a acusação e disse que “sempre observamos nos outros nossas próprias qualidades e pensamos que eles são iguais a nós”, afirmando que deseja “boa saúde” ao líder norte-americano. 

“Lembro-me de minha infância, quando discutíamos no quintal, costumávamos dizer: é preciso ser um para reconhecer o outro. E isso não é uma coincidência, não é apenas um ditado ou uma piada de criança”, completou o líder russo.  

Apesar do aparente desalinhamento, o mandatário russo disse que está disposto a trabalhar junto com os americanos, porém, em áreas de seus interesses e em condições consideradas benéficas pelo Kremlin. “E eles terão que levar isso em consideração”, pontuou.  

“Eles pensam que somos iguais a eles, mas temos um código genético, cultural e moral diferente e sabemos defender os nossos próprios interesses”, concluiu Vladimir Putin

As fortes declarações de Biden 

As eleições presidenciais dos EUA de 2020 ainda estão gerando polêmicas, mesmo após a vitória incontestável de Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama. Conforme repercutiu o UOL, o presidente russo entrará na mira do novo governo.

Durante uma entrevista à ABC News, transmitida na manhã desta quarta-feira, 17, o governante americanoJoe Biden afirmou que Vladimir Putin não sairá imune após todos os esforços em manter Donald Trump na liderança dos Estados Unidos na última eleição.

O líder que iniciou o mandato em janeiro deste ano disse: “Ele pagará um preço”. E acrescentou ainda: “Você verá em breve”. Há tempos, acusações de manipulações e fraudes vêm à tona envolvendo o nome de Trump e Putin.

Desde 2016, quando Hillary Clinton disputava o cargo, que a Rússia se encontrou em uma posição delicada. Supostamente, o governo de Putin teria ajudado a criar fake news que colocariam o republicano em vantagem. Apesar de ter conseguido se eleger em meio ao caos em primeiro momento, na reeleição, Trump fracassou.

Fonte: Aventuras na História