IBAMA combate a exploração ilegal de madeira e lenha nativa no sertão da Paraíba e de Pernambuco

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama aplicou R$ 231.394,00 em multas e apreendeu 399 estéreos de lenha nativa e 171 metros cúbicos de madeiras serradas, durante ações de fiscalização da Operação Oito Furos, em execução no sertão da Paraíba e de Pernambuco.

Foto: Ibama.

A operação ocorre desde 16 de novembro e já resultou na lavratura de 19 autos de infração, sendo constatadas ocorrências de exploração ilegal de lenha nativa e madeira serrada, além do funcionamento clandestino de cinco cerâmicas ou olarias (fábricas de tijolos), as quais foram embargadas, devido funcionarem sem licenciamento ambiental e com consumo de lenha nativa sem o Documento de Origem Florestal – DOF. Um caminhão abordado com lenha nativa foi apreendido devido transporte sem DOF.

Os 171 metros cúbicos de madeiras serradas foram apreendidos em um depósito clandestino na cidade de Esperança. Essas madeiras são provenientes da Amazônia e entraram ilegalmente no Estado da Paraíba. O total da carga equivale a 7 caminhões de grande porte com carrocerias completamente abastecidas com madeiras serradas.

Quanto aos 399 estéreos de lenha nativa, a maioria foi flagrada no pátio de cerâmicas clandestinas. O total da carga equivale a 11 caminhões de grande porte com carrocerias completamente abastecidas com lenha.

As madeiras serradas e parte da lenha foram doadas às Prefeituras Municipais de Esperança, Remigio e Santa Cecília, para uso em programas sociais em favor da população.

A equipe de fiscalização constatou que a maioria das Cerâmicas ou Olarias vistoriadas funciona de maneira legalizada, tanto no licenciamento ambiental estadual e cadastro técnico federal, quanto com relação ao consumo de lenha nativa com DOF e lenha exótica da espécie algaroba, com nota fiscal. A algaroba vem sendo utilizada como alternativa à lenha nativa, o que reduz a pressão do desmatamento no bioma Caatinga, mantendo a eficiência da atividade econômica industrial de fabricação de tijolos.


Segundo o superintendente do Ibama na Paraíba, Dallys Henrique, “as infrações ambientais constatadas na operação, foram coibidas e punidas de maneira contundente pela fiscalização do IBAMA. Ficamos satisfeitos com o fato de a maioria dos empreendimentos vistoriados funcionar legalmente, com geração de emprego e renda, e uso sustentável de recursos naturais”.


Gabinete Paraíba com informações da Divisão Técnico-Ambiental da Superintendência do IBAMA no Estado da Paraíba