Presidente Joe Biden comemora momento vivido nos EUA: “Isso é democracia em ação”

O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, usou sua conta no Instagram, nesta terça-feira (11), para comemorar o momento vivido no país sob sua administração.

O gestor enalteceu o andamento das políticas econômicas, das políticas de saúde e ainda declarou que a população tem sentido os efeitos reais destas iniciativas de sua gestão.

“Estamos vacinando a nação. Estamos a criar centenas de milhares de empregos. Estamos a fornecer resultados reais que as pessoas podem ver e sentir nas suas próprias vidas. Essa é a essência da América. Isso é democracia em ação”, escreveu o líder estadunidense.

COMPARATIVO DA VACINAÇÃO ENTRE OS EUA E O BRASIL

Nos EUA, 263 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 já foram aplicadas. Até o momento, cerca 117 milhões de pessoas já foram completamente vacinadas, o equivalente a 35,5% da população que já foi imunizada contra o vírus.

No Brasil, 48,2 milhões de doses foram aplicadas na população contra o novo coronavírus. O número de pessoas completamente imunizadas é de 15,5 milhões, o equivalente a 7,4% da população.

As informações referentes aos dois países são do Our World in Data.

Redação Gabinete Paraíba

Presidente Joe Biden conclama o povo dos EUA a vacinar contra a Covid-19: “As vacinas estão disponíveis”

Presidente dos EUA tenta convencer os estadunidenses a tomarem a vacina após o país acelerar na imunização.

Presidente Joe Biden no Congresso.
Foto: Reprodução.

Na véspera de completar 100 dias à frente da presidência dos Estados Unidos, Joe Biden fez seu primeiro discurso ao Congresso americano, no qual pediu que os americanos se vacinem, defendeu projetos trilionários de reforma do Estado americano e afirmou que é hora de empresas e ricos financiarem programas sociais.

“Saiam e vão se vacinar, americanos. As vacinas estão disponíveis”, pediu à população.

Depois de uma aceleração na vacinação, os EUA precisam agora convencer americanos que ainda hesitam em tomar a vacina a se imunizarem. Ele chega à data com sua principal promessa alcançada: a de aplicar 100 milhões de doses da vacina nestes 100 primeiros dias. A meta foi revisada no meio do caminho e ampliada para 200 milhões, algo que ele também atingiu.

“A pior pandemia em um século. A pior crise econômica desde a Grande Depressão. O pior ataque à nossa democracia desde a Guerra Civil”, disse o presidente, na mesma sala atacada em janeiro por extremistas pró-Trump que tentaram impedir a certificação de sua eleição. “Agora – depois de apenas 100 dias – posso dizer à nação: os EUA estão em movimento novamente. Transformando o perigo em possibilidades. Crise em oportunidade. Revés em força”, afirmou.

Fonte: Estadão

[TIROU A MÁSCARA] Ex-Presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da OAB desmascara Presidente Bolsonaro em vídeo

Advogada critica o Presidente por sua postura controversa diante dos líderes mundiais e pelas ações desastrosas da gestão do meio ambiente pelo Governo Federal.

Marina Gadelha no Conselho Federal da OAB. Foto: Instagram/Reprodução.

A Advogada Paraibana e Conselheira Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Marina Gadelha – Presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente do Conselho Federal da OAB, por aproximadamente 02 gestões (2016-2020) – desmascarou nesta quinta-feira (22), em vídeo veiculado em seu perfil no Instagram, o Presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), diante de sua pífia participação na reunião da Cúpula de Líderes sobre o Clima, puxada pelo Presidente Estadunidense, Joe Biden.

Na postagem, a advogada que deixou a Presidência da Comissão de Meio Ambiente em meados de setembro de 2020, demonstra grande insatisfação pelo desprestígio do país no cenário global e lembra da importância que a nação brasileira já teve nos debates climáticos. Segundo Gadelha, “não somos mais aquele player tão relevante que já fomos”.

Marina argumenta que a fala do Presidente é totalmente controversa e distante do real e que o Brasil não é esse país que o gestor quer passar para a Comunidade Internacional.

“Também é muito importante destacar aqui a fala do Presidente da República, que na minha opinião, é completamente desconectada da realidade. Eu adoraria viver no Brasil que o Presidente Bolsonaro diz que é o Brasil atual, sob o aspecto ambiental. Ao contrário do que ele disse, os órgãos ambientais e os seus servidores estão passando por um momento extremamente difícil, com redução drástica no orçamento, com amordaçamento e redução dos poderes dos Servidores” – destacou Gadelha.

De acordo com a advogada, bem recentemente, inclusive, uma instrução normativa conjunta dos órgãos federais de proteção ao Meio Ambiente, como o Ibama e o ICMBio, proíbe os servidores de por exemplo, aplicarem um embargo à uma área ou a uma atividade que esteja cometendo uma infração ambiental.

“O servidor pode indicar uma necessidade de um embargo, mas essa necessidade, de acordo com a paraibana, precisa ser revista pelo superior hierárquico, para só assim ser aplicado, o que na prática, acaba inviabilizando esse tipo de medida que é extremamente importante para que o dano que esteja ali sendo observado não se perpetue” – declarou.

Outra questão levantada pela ex-Presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente, da OAB, foi a redução que nunca antes houvera acontecido, como no presente momento. De acordo com ela, “nunca esses órgãos tiveram uma redução tão drástica”.

Marina Gadelha também criticou em seu vídeo, a perseguição que o Presidente tem imposto aos servidores dos órgãos de Meio Ambiente. Ela cita o exemplo do ex-Presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que fora demitido no início do Governo, após fazer denuncias contra o que estava acontecendo.

“No início da gestão do Presidente Bolsonaro, nós tivemos um apontamento do acréscimo de desmatamento e consequentemente de queimadas, denunciado pelo IMPE e o que presidente da República fez foi afastar o diretor do impe, que fez esse apontamento, que fez essa denúncia” – lembrou a Advogada.

Por fim, a advogada que é uma referência em Direito Ambiental em todo o país, disse estranhar o posicionamento controverso e os compromissos assumidos pelo Presidente do Brasil diante dos líderes das grandes potências mundiais, com relação à emissão de gases. Marina diz não acreditar nessas promessas feitas por Jair Bolsonaro, ainda mais se tratando de uma gestão do Meio Ambiente totalmente ligada aos interesses dos infratores.

“Contrariamente a isso tudo, [o Presidente] chega e se compromete com uma redução de 40% das emissões até 2030. Sinceramente, eu adoraria acreditar, mas é impossível, que nós conseguiremos atingir essa meta, diante desse quadro de redução das forças, e quando eu falo das forças estou falando de recursos econômicos e humanos, de que dispomos, dentro dos órgãos ambientais. Com o negacionismo e com o Ministro do Meio Ambiente ou Ministro contra o Meio Ambiente, se comportando como um verdadeiro defensor de infratores ambientais… Eu adoraria acreditar no que Bolsonaro disse a pouco no encontro do clima, mas sinceramente, acho que não consigo” – disparou Marina Gadelha.

Confira o vídeo da Advogada Marina Gadelha

Vídeo de Marina Gadelha. Fonte: Instagram.

Sobre o Discurso do Presidente Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro foi o último dos líderes a discursar no encontro. O Presidente Joe Biden não acompanhou sua fala. Vários jornais Brasileiros como o Estado de São Paulo, a Folha de S. Paulo, a CNN Brasil e outros veículos analisaram a fala do Presidente da República. A Agência Lupa de fact-checking também analisou o discurso de 07 minutos do Chefe do Executivo e encontrou diversos equívocos, bem como falas distorcidas e exageradas.

Redação Gabinete Paraíba

[Covid-19] Biden cumpre promessa e vacina 100 milhões de americanos antes do prazo previsto

Vacina contra Covid-19 produzida pela Janssen – Kamil Krzaczynski/AFP

O presidente Joe Biden cumpriu, nesta sexta-feira (19), 41 dias antes do prazo previsto, a promessa de administrar 100 milhões de doses das vacinas contra o coronavírus nos Estados Unidos, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Em 14 de janeiro, seis dias antes de assumir a Casa Branca, o democrata havia prometido colocar “100 milhões de doses de vacina contra a Covid nos braços da população americana” até seu centésimo dia no cargo.

A campanha de imunização nos EUA, porém, ultrapassou a marca nesta sexta, o 59º dia de Biden na Presidência. O último balanço divulgado pelo CDC mostra que, no total, 118,3 milhões de doses foram aplicadas desde que a primeira equipe de profissionais de saúde de Nova York foi vacinada em 14 de dezembro, ainda no governo de Donald Trump.

Até agora, 77,2 milhões de pessoas receberam ao menos uma dose do imunizante e 41,9 estão completamente vacinadas – porque receberam as duas aplicações da vacina da Pfizer ou da Moderna ou a dose única da vacina da Johnson & Johnson.

Em média, o país tem aplicado 2,46 milhões de vacinas por dia e ocupa a nona posição entre as nações que administraram mais doses em relação ao tamanho da sua população – são 349,6 a cada mil habitantes. O primeiro do ranking é Israel (1.112,7), e o Brasil é o 60º, com índice de 61,2.

Quando Biden fez a promessa, em janeiro, menos de um mês depois do início da campanha de imunização, a média móvel de casos confirmados nos EUA ainda estava próxima do pico de mais de 250 mil infecções diárias.

Desde então, a queda foi bastante acentuada, de modo que o índice registrado nesta quinta-feira (18) foi de 54,6 mil novos casos – redução de mais de 78%. Os EUA ainda ocupam, porém, o primeiro lugar na lista nada honrosa de países com os maiores números de contaminados e mortos pela Covid-19.

Desde o início da pandemia, foram mais de 29,7 milhões de casos confirmados e quase 541 mil óbitos, de acordo com os dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Fonte: Folha de Pernambuco

[EUA x Rússia] Biden diz que Putin é assassino e líder russo rebate: “É preciso ser um para reconhecer o outro”

Joe Biden e Vladimir Putin. Foto: Reprodução.

A troca de acusações entre os presidentes Joe Biden (Estados Unidos) e Vladimir Putin (Rússia), ganhou mais um capítulo na manhã desta quinta-feira, 18. Tudo começou ontem, 17, a partir de uma declaração de Biden, que disse ‘sim’ ao ser questionado se o governante russo era um assassino.  

Em pronunciamento transmitido pela televisão russa hoje, Putin ironizou a acusação e disse que “sempre observamos nos outros nossas próprias qualidades e pensamos que eles são iguais a nós”, afirmando que deseja “boa saúde” ao líder norte-americano. 

“Lembro-me de minha infância, quando discutíamos no quintal, costumávamos dizer: é preciso ser um para reconhecer o outro. E isso não é uma coincidência, não é apenas um ditado ou uma piada de criança”, completou o líder russo.  

Apesar do aparente desalinhamento, o mandatário russo disse que está disposto a trabalhar junto com os americanos, porém, em áreas de seus interesses e em condições consideradas benéficas pelo Kremlin. “E eles terão que levar isso em consideração”, pontuou.  

“Eles pensam que somos iguais a eles, mas temos um código genético, cultural e moral diferente e sabemos defender os nossos próprios interesses”, concluiu Vladimir Putin

As fortes declarações de Biden 

As eleições presidenciais dos EUA de 2020 ainda estão gerando polêmicas, mesmo após a vitória incontestável de Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama. Conforme repercutiu o UOL, o presidente russo entrará na mira do novo governo.

Durante uma entrevista à ABC News, transmitida na manhã desta quarta-feira, 17, o governante americanoJoe Biden afirmou que Vladimir Putin não sairá imune após todos os esforços em manter Donald Trump na liderança dos Estados Unidos na última eleição.

O líder que iniciou o mandato em janeiro deste ano disse: “Ele pagará um preço”. E acrescentou ainda: “Você verá em breve”. Há tempos, acusações de manipulações e fraudes vêm à tona envolvendo o nome de Trump e Putin.

Desde 2016, quando Hillary Clinton disputava o cargo, que a Rússia se encontrou em uma posição delicada. Supostamente, o governo de Putin teria ajudado a criar fake news que colocariam o republicano em vantagem. Apesar de ter conseguido se eleger em meio ao caos em primeiro momento, na reeleição, Trump fracassou.

Fonte: Aventuras na História

[AUXÍLIO] Presidente Estadunidense Joe Biden, anuncia Pacote de Resgate para os EUA

Pacote econômico do governo norte-americano visa alcançar os mais pobres e movimentar a economia

Presidente Biden. Foto: Reprodução.

O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, assinou nesta última quinta (11), o plano de resgate para a pandemia da Covid-19, que fora anteriormente sancionado pelo Congresso, no valor de 1,9 trilhão de dólares (10 trilhões de reais).

Dentro do pacote, também estão incluídos US$ 400 bilhões (2,1 trilhões de reais) para o pagamento direto de 1.400 (R$ 7.390) dólares à maioria dos cidadãos e cidadãs norte-americanos, e para medidas adicionais para famílias de baixa renda.

De acordo com economistas, trata-se de um dos maiores pacotes de estímulo desde a Grande Depressão da década de 1920.

O decreto inclui, entre outros pontos, fundos visando a reabertura das escolas, o aceleramento da produção e distribuição de vacinas e o apoio aos governos estaduais e municipais em dificuldades.

“85% das famílias [norte] americanas receberão cheques diretos do Plano de Resgate Americano. Para tantos [norte] americanos, isso significa que eles podem ter renda. Significa que eles podem colocar comida na mesa”, declarou Biden em seu Instagram.

Postagem do Presidente Joe Biden no Instagram. Foto: Reprodução.

Redação Gabinete Paraíba

[CONSÓRCIO NE] Governadores do Nordeste vão pedir 10 milhões de doses de vacinas a Joe Biden

Governadores do Nordeste. Foto: Reprodução.

Governadores do Nordeste vão pedir ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a liberação para o Brasil de 10 milhões de doses de vacinas que estão estocadas no país norte-americano.

Os gestores querem também, em outra frente, convencer a OMS (Organização Mundial da Saúde) a antecipar o envio de doses já previstas para o Brasil do consórcio Covaxin

Os governadores do Nordeste receberam a informação de que um lote de 10 milhões de vacinas de Oxford/AstraZeneca está estocado nos EUA, ainda sem data para ser aplicado, informa a Jornalista Mônica Bergamo.

As doses estocadas não estariam sendo ainda aplicadas porque os EUA ainda não teriam treinado profissionais para aplicar especificamente a vacina de Oxford.

Os governadores do Nordeste pretendem também convencer a OMS (Organização Mundial da Saúde) a antecipar o envio de doses já previstas para o Brasil de vacinas do consórcio Covaxin.

Fonte: Revista Nordeste