Paraíba realiza Dia D de vacinação contra a Covid-19 no sábado

Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizará, no sábado (25), o Dia D de vacinação contra a Covid-19. O intuito é oportunizar o acesso da população à vacina. A mobilização ocorrerá nos 223 municípios, com abertura de forma simultânea em João Pessoa e Campina Grande. 

De acordo com o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, o objetivo é ampliar a oferta da dose (D1) para aqueles que já estão contemplados na Campanha e não foram ainda vacinados, além de melhorar as coberturas de dose 2 (D2) daqueles que já estão no período adequado para fechamento de seu esquema vacinal.

“Vamos realizar o Dia D no sentido de garantir o acesso a todas as pessoas que ainda não conseguiram se vacinar. Alinhamos com todos os municípios que não será necessário o agendamento prévio para poder tomar vacina”, pontua. 

O secretário destaca que a meta mínima a ser alcançada para a vacinação é de 90% do público-alvo preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações. E solicita o empenho das gestões municipais no sentido de informar os dados de doses aplicadas no site de campanha de forma diária. 

A Paraíba já recebeu um total de 5.228.180 de doses. Até o momento, 2.665.199 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 1.275.203 completaram os esquemas vacinais onde 1.212.523 tomaram as duas doses e 62.680 utilizaram imunizante de dose única. De acordo com os dados registrados, 523.480 pessoas estão com esquemas vacinais incompletos. 

[FOGO AMIGO] Pegou mal, pegou muito mal, fala de Alexandre expõe Prefeito e a gestão diante de mais um problema na pandemia

O Vereador Alexandre do Sindicato (PSD), Líder do Governo Bruno Cunha Lima na Câmara Municipal em Campina Grande, conhecido pelos seus posicionamentos políticos polêmicos, além do alinhamento ideológico com o Presidente Bolsonaro, tanto fez que conseguiu ser o assunto mais falado no estado desde o dia de ontem, quando na tribuna da Casa Félix Araújo o mesmo se referiu ao fato de ser avesso a vacinação, ser “negativista” e preferir o tratamento precoce com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para a Covid, confira a postagem feita pelo Gabinete Paraíba.

“Lamento se a ironia foi mal interpretada”, comentou o Vereador em nota divulgada ainda no dia ontem, para justificar o injustificável, ainda que, segundo ele, “reconhece que o comentário, sem a compreensão do contexto, pode gerar interpretações equivocadas”. 

Acontece que, primeiramente, lamentável é que um Vereador, ainda mais Líder do próprio governo, se utilize de ironias para tratar um assunto tão sério, como a pandemia, após 442 mil mortes em nosso país, com 844 mortes em Campina Grande, além de responsabilizar quem o ouviu pelo conteúdo por ele dito, aonde não cabe interpretações diferentes daquilo que foi claramente falado. Assumir o erro pelo metade, é não assumir as próprias responsabilidades.

O resumo da história é que pegou mal, pegou muito mal para o Vereador, conhecido na legislatura passada como Alexandre de Romero, motivo de orgulho já exposto pelo próprio Vereador, o mesmo acaba mantendo a mesma postura efusiva e muitas vezes questionáveis, com falas absurdas como as de ontem ditas na casa legislativa, para que dessa vez possa também ser reconhecido como Alexandre de Bruno.

No entanto, o Chefe do Executivo municipal, ainda na tarde de ontem, foi a público contrariar o seu próprio líder, na tentativa de amenizar o estrago causado pela fala de Alexandre, afirmando que ela não representava a opinião do Governo e sim apenas do próprio Vereador.

Vereador Alexandre do Sindicato (PSD), Líder do Governo Bruno Cunha Lima na Câmara Municipal. Prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD)

A questão é que para Bruno, também pegou mal, pegou muito mal, numa demonstração clara da falta de alinhamento com a sua base, além de ter que arcar com mais um problema, diante dos vários que estão sendo denunciados sobre a sua gestão durante a pandemia, desde a desorganização no processo de vacinação, enormes filas para atendimento no Pedro I, o número de pessoas vacinadas com CPFs de pessoas falecidas, a disputa com o Governo do Estado sobre os decretos, os questionamentos do Ministério Público sobre o uso de medicamentos não comprovados, entre outros.

Os estrategistas políticos de Bruno estão tendo muito trabalho para conseguir manter uma narrativa convincente de que não há problemas em seu governo, ainda mais quando o fogo parte da sua própria liderança. Caberá a Bruno fazer o cálculo se compensa manter essa mesma herança do Governo Romero ou se definitivamente muda o seu principal interlocutor na Câmara, dando finalmente a sua própria cara a sua bancada, afinal de contas não é mais segredo nos bastidores da política campinense, a insatisfação dos aliados oriundos do antigo Prefeito, que seguem esquecidos na atual gestão.

Redação Gabinete Paraíba

[NEGATIVISTA] Em tom de riso, Vereador líder do Governo Bruno na Câmara, recusa vacina e defende medicamentos sem comprovação científica

Na manhã dessa quarta-feira (19), o Vereador Líder do Governo na Câmara, Alexandre do Sindicato (PSD), do mesmo partido do Prefeito Bruno Cunha Lima, protagonizou um discurso minimamente questionável, onde o mesmo afirmou que não tem pressa para tomar vacina e que é totalmente avesso ao método, dando preferência a utilização de medicamentos sem comprovação científica, utilizados no chamado tratamento precoce, questionados pela sua ineficácia, como a ivermectina e azitromicina.

Vereador Alexandre do Sindicato (PSD), Líder do Governo Bruno Cunha Lima na Câmara de Vereadores de Campina Grande

A fala do Vereador ocorreu devido ao fato de que na Câmara estava ocorrendo uma ação de testagem para a Covid-19, em funcionários da casa e dos gabinetes, como também para os próprios legisladores e legisladoras.

“Eu como sou negativista, não vou fazer! Eu não aceito, não, eu sou totalmente avesso, eu sou muito mais da ivivemercritina (SIC) e azitromicina, chá de Hortelã e Limão Galego, isso pra mim tem funcionado, Graças a Deus! Então quem quiser tomar minha vacina, vá a frente, pode tomar minha vacina, pode se vacinar, pode se fazer testagem, fiquem a vontade, ocupem minha vaga ai na questão da testagem, muito obrigado colegas!”

Segundo publicado pelo Blog do Max Silva, a fala do Vereador também se referia as pessoas que já estariam aguardando, desde cedo, na fila para tomar a segunda dose da Coronavac, que ocorrerá no turno da tarde do dia hoje.

O Vereador já é conhecido por posicionamentos negacionistas, alinhado ao discurso do Presidente Bolsonaro, que tem a política defendida por ele e pelo Prefeito Bruno Cunha Lima. A fala de Alexandre acontece na semana em que a Prefeitura de Campina Grande anuncia a adoção de medidas mais restritivas para conter o avanço da pandemia, um mês depois de ter entrado na justiça contra o Governo do Estado, que estabelecia regras mais duras para conter a transmissão do vírus em todo o estado e que também atingia Campina Grande. O Prefeito Bruno confirmou que está analisando o novo decreto estadual e poderá utilizá-lo.

Confira o Vídeo:

Redação Gabinete Paraíba

[EMOÇÃO] EUA comemora libertação das máscaras e país já tem 36% do povo vacinado

Raquel Krähenbühl.
Foto: Instagram/Reprodução.

Na manhã desta sexta-feira (14), os Estados Unidos da América comemoraram, através de pronunciamento do Presidente Joe Biden, o fim do uso das máscaras para as pessoas que já foram vacinadas.

A jornalista e correspondente da Globo no país, Raquel Krähenbühl, comemorou ao vivo o momento, com a retirada da máscara.

Raquel Krähenbühl.
Vídeo: GloboNews/Reprodução.

DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DOS EUA

Os EUA registraram até esta última quinta-feira (13), cerca de 32,9 milhões de pessoas infectadas pela Covid-19, com um total de 584 mil pessoas mortas pela doença.

Entretanto, o país já passa a comemorar a vitória sobre a Pandemia, com 267 milhões de doses do imunizante contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2), e um número de 119 milhões de pessoas vacinadas, o equivalente a 36% da população estadunidense.

SITUAÇÃO DO BRASIL

O Brasil, contudo, ainda sofre pelas medidas pouco eficazes do Governo Federal quanto ao enfrentamento da Pandemia e que têm sido investigadas pela CPI da Covid-19 no Senado Federal.

O país até o momento registrou 15,4 milhões de casos da Covid-19, com 430 mil mortes em virtude do vírus.

Graças às medidas adotadas – de recusa de doses da vacina, ainda em agosto do ano passado, quando foram oferecidas mais de 100 milhões de doses do imunizante pela Pfizer, para aplicação em 2020 – a vacinação caminha a passos lentos, com apenas 50,3 milhões de doses da vacina aplicadas e o quantitativo de 16,2 milhões de pessoas imunizadas, um total de 7,7% da população brasileira.

Redação Gabinete Paraíba

Presidente Joe Biden conclama o povo dos EUA a vacinar contra a Covid-19: “As vacinas estão disponíveis”

Presidente dos EUA tenta convencer os estadunidenses a tomarem a vacina após o país acelerar na imunização.

Presidente Joe Biden no Congresso.
Foto: Reprodução.

Na véspera de completar 100 dias à frente da presidência dos Estados Unidos, Joe Biden fez seu primeiro discurso ao Congresso americano, no qual pediu que os americanos se vacinem, defendeu projetos trilionários de reforma do Estado americano e afirmou que é hora de empresas e ricos financiarem programas sociais.

“Saiam e vão se vacinar, americanos. As vacinas estão disponíveis”, pediu à população.

Depois de uma aceleração na vacinação, os EUA precisam agora convencer americanos que ainda hesitam em tomar a vacina a se imunizarem. Ele chega à data com sua principal promessa alcançada: a de aplicar 100 milhões de doses da vacina nestes 100 primeiros dias. A meta foi revisada no meio do caminho e ampliada para 200 milhões, algo que ele também atingiu.

“A pior pandemia em um século. A pior crise econômica desde a Grande Depressão. O pior ataque à nossa democracia desde a Guerra Civil”, disse o presidente, na mesma sala atacada em janeiro por extremistas pró-Trump que tentaram impedir a certificação de sua eleição. “Agora – depois de apenas 100 dias – posso dizer à nação: os EUA estão em movimento novamente. Transformando o perigo em possibilidades. Crise em oportunidade. Revés em força”, afirmou.

Fonte: Estadão

[SAÚDE] Pfizer testa pílula contra Covid-19 como alternativa à vacina

A previsão é que o medicamento esteja disponível ainda em 2021.

Imagem: Divulgação.

Uma pílula contra o coronavírus, criada pela empresa Pfizer, está em fase de testes nas fábricas da farmacêutica na Bélgica e nos Estados Unidos. A expectativa é que o medicamento esteja pronto até o final deste ano. De acordo com Pfizer, a pílula pretende ser eficaz contra as diferentes cepas do vírus.

O medicamento, conhecido como PF-07321332, será indicado para as pessoas que se encontram nos primeiros estágios do contágio e servirá para evitar patologias mais graves: “A pílula é uma terapia oral potencial que poderá ser prescrita ao primeiro sinal de infecção, evitando internações e e necessidade de UTI’s”, assegura Mikael Dolsten, diretor científico e presidente de investigação da Pfizer.

Serão três fases de teste antes de ocorrer a comercialização. Neste momento, o novo medicamento está na fase 1, a que prova a eficácia e os efeitos colaterais. A droga está sendo testada em pacientes saudáveis, entre 18 e 60 anos.

Segundo Mikael, nesta etapa, também se verifica a tolerância ao medicamento com diferentes doses e combinado com o retroviral usado para combater o HIV. Os cientistas ainda irão avaliar se há efeitos secundários significativos. O prazo previsto para o término deste estágio, iniciado no mês passado, é 25 de maio.

A segunda etapa vai testar quais são as doses necessárias para combater o vírus. Já a terceira, avaliará se pode ser administrado em gotas ou em pílulas e como interage com os alimentos. O objetivo da droga é evitar que o vírus se reproduza nas células humanas atacando a enzima do SARS-Covid-2. É um método similar aos retrovirais que se usam para combater o vírus HIV e a hepatite C.

Alternativa à vacina contra a Covid-19

A iniciativa pretende ser uma alternativa à vacina, especialmente para os países menos desenvolvidos onde o ritmo de vacinação é mais lento pela falta de doses. A Pfizer defende que, com as constantes mutações do vírus e o impacto global que está tendo, é necessário pensar em outras opções terapêuticas para combater o coronavírus, agora e depois da pandemia.

Como qualquer medicamento, a pílula ainda precisa passar por várias etapas para testar sua eficácia e segurança antes de ser comercializada. Mesmo que bem tolerada por humanos, só os ensaios clínicos vão atestar se ela funciona em pessoas infectadas com Covid-19.

Somente na Europa, a Covid-19 já infectou 44 milhões de pessoas desde o início da pandemia. O continente também registrou 1.142.000 mortes causadas pelo vírus, de acordo com estatísticas oficiais.

Fonte: Agora Europa

[CPI DA COVID] Governo Bolsonaro recusou 11 vezes ofertas para compras de vacina

O governo brasileiro recusou onze ofertas formais de fornecimento de vacinas contra a Covid. O método do Ministério da Saúde para dizer não sempre foi o de ignorar as propostas. O número leva em conta apenas os episódios em que há comprovação documental da omissão governamental e já é de conhecimento dos senadores que vão compor a CPI.

O placar deve crescer ao longo das investigações, já que um dos objetivos da comissão é apontar no relatório final o número de vezes em que o governo disse não à única solução para prevenir a doença.

Não ao Butantan

Instituto Butantan retoma produção de doses da Coronavac  — Foto: Reprodução/TV Globo

Das onze recusas conhecidas e que podem ser provadas com documentos, seis são referentes à Coronavc. Há três ofícios assinados pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, oferecendo o imunizante. O primeiro, datado de 30 de julho de 2020, e o segundo, de 18 de agosto, ficaram sem resposta. O terceiro documento foi entregue pessoalmente em 7 de outubro por Dimas Covas, ao ministro da saúde, o general Pazuello.

Como os documentos não tinham resposta, o Instituto Butantan realizou três videoconferências com integrantes do Ministério da Saúde para fazer a oferta. Nada andou. Os documentos com as provas da sabotagem do governo federal à Coronavac já estão separados numa gaveta do Instituto Butantan, aguardando apenas um pedido formal da CPI para serem entregues.

Não à Pfizer

Há ainda mais três ofertas formais feitas pelo laboratório Pfizer. A primeira delas foi feita em agosto de 2020, quando a farmacêutica colocou à disposição do Brasil 70 milhões de doses para serem entregues em dezembro. As outras duas ofertas formais, feitas através de documentos, foram confirmadas pelo laboratório. Segundo o ex-secretário de comunicação, Fabio Wajngarten, como o Ministério ignorava as propostas, exatamente como fez com o Butantan, ele próprio abriu as portas do Palácio do Planalto para uma negociação formal com o presidente da República e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Também não andou.

Não à Covax Facility

O senador Randolfe Rodrigues, autor do requerimento da CPI acrescenta à contagem as duas vezes que o governo Jair Bolsonaro se recusou a participar consórcio da Covax Facility. Segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, o Brasil só aderiu no terceiro convite para aquisição de 212 milhões de doses. O acordo era visto pelo Ministério das Relações Exteriores como uma atitude globalista, portanto nociva ao país. O número de doses foi reduzido a pedido do governo brasileiro.

Burro na cabeça

Esse humilde blog observa que já são onze recusas. Onze. No jogo do bicho, 11 é a dezena do burro. Sim, o governo Bolsonaro foi burro, para dizer o mínimo, ao recusar tantas ofertas de vacina. Mas para ser coerente com a retórica do governo, o certo seria que o número de recusas variasse entre 57 e 60, dezenas do jacaré.

Fonte G1Por Octavio Guedes

[RECADO] Sindicalista toma primeira dose da Vacina contra a Covid-19 e manda recado: “Em Defesa do SUS, fora o vírus e o verme!”

O Presidente do Sindicato dos Comerciários de Campina Grande e Dirigente Estadual do PCdoB, José do Nascimento Coelho (60), tomou a primeira dose da vacina contra a Covid-19 nessa segunda-feira (19), aproveitando do momento e segurando um cartaz na hora da vacinação, Coelho mandou um recado: “Em Defesa do SUS, fora o Vírus e o Verme”.

José do Nascimento Coelho, Presidente do Sindicato dos Comerciários de Campina Grande e Região

Coelho que no início do ano foi internado por conta da Covid-19, falou da importância do momento e como se sente em relação a vacinação, “É um momento de muita alegria, recordando o passado recente, sinto-me privilegiado por hoje poder tomar a primeira dose da Vacina. Desde o começo da pandemia, tenho vivenciado a dor da perda de familiares, amigos próximos, companheiros comerciários e comerciárias, assim como milhares de brasileiros e brasileiras que já não estão entre nós, por isso fico alegre em poder ter sobrevivido a Covid e chegado a esse momento, mas sigo empático e reflexivo com a dor dessas pessoas.”

O Sindicalista ainda afirmou que é necessário lutar para que mais rapidamente e em maiores quantidades, as vacinas possam chegar a todos os cantos do país, além disso em âmbito nacional, defende que a categoria dos comerciários possa também ser incluída nas prioridades da vacinação, “compartilho diariamente a preocupação de dezenas de trabalhadores que precisam sair de suas casas em direção ao comércio, por isso acho essencial um olhar diferenciado ao nosso segmento. Em nossa cidade, por exemplo, a maioria desses empregados necessitam do transporte público para chegarem aos seus empregos, temos recebido muitas denuncias em relação a falta de sanitização dos transportes, número reduzido de automóveis e superlotação, só para dar um exemplo de alguns riscos que esses trabalhadores vivenciam todos os dias.”

No recado que expôs no momento de vacinação, Coelho foi enfático em relação ao seu posicionamento em defesa do Sistema Único de Saúde, assim como em torno do combate do vírus da Covid e os “vermes”, que segundo ele, “representa o pensamento negacionista”, que sob a liderança daquele que deveria liderar a nossa nação, negam desde o começo o acesso a saúde, as medidas efetivas de prevenção e combate a proliferação da pandemia. “E pensar que poderíamos desde dezembro termos recebido cerca de 70 milhões de doses de Vacina, que poderiam ter feito a diferença no momento mais crítico que estamos vivenciando ao longo desse ano, por isso sou contra todos aqueles que negam o direito a vida”, comentou Coelho.

Redação Gabinete Paraíba

[VACINA] Governador comemora chegada de 180 mil doses de vacina no Aeroporto Castro Pinto

O número de vacinas é o maior desde o início da campanha de vacinação na Paraíba.

Governador João Azevêdo. Foto: Reprodução.

O Governador João Azevêdo (Cidadania) postou em suas redes sociais a comemoração pela chegada do maior lote de vacinas que chegou à Paraíba desde o começo da campanha de vacinação.

Só nesta tarde de quinta-feira (01), chegaram ao estado 180 mil doses de vacina contra a Covid-19, sendo 13.750 doses da Fiocruz e mais 167.000 do Instituto Butantan. O Governador decidiu ir diretamente ao Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto, para receber os imunizantes que serão distribuídos nos próximos dias para todos os municípios paraibanos.

“Estamos recebendo hoje a maior remessa de vacinas e fiz questão de vir pessoalmente acompanhar a chegada. São 180 mil doses que estão chegando.” – comemorou o Governador.

Avião chegando com as vacinas contra a Covid-19. Foto: Reprodução.

A chegada das novas vacinas vem logo após a boa notícia que foi veiculada a respeito da Paraíba em reportagem da CNN. O estado foi anunciado como o segundo mais eficaz na vacinação em todo o Brasil e o primeiro no Nordeste.

Redação Gabinete Paraíba

[DE MENTIRINHA] Vacinas irregulares aplicadas em Belo Horizonte eram na verdade soro fisiológico

Laudo da Polícia Federal aponta que as vacinas tomadas por empresários do ramo de transporte de Belo Horizonte eram, na verdade, soro fisiológico. O material periciado foi apreendido na casa da cuidadora de idosos Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, apontada como a enfermeira que aplicou as doses do imunizante falso.

“Os resultados dos exames são compatíveis com a descrição contida no rótulo do produto, ou seja, que o mesmo se trata de produto farmacêutico denominado soro fisiológico (solução cloreto de sódio)”, diz o documento obtido pela emissora.

Na terça-feira (30/3), agentes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão na casa da enfermeira ligada ao esquema. No local, foram encontradas grande quantidade de soro fisiológico.

A suspeita, o filho Igor Pinheiro e um outro homem que estava presente durante a operação foram presos em flagrante e levados à Superintendência da Polícia Federal para prestar depoimento. Já o insumo foi apreendido e passou por perícia policial.

Fonte Metrópoles